ICMBio
ICMBio

Governo Bolsonaro confirma coronel da PM à frente do ICMBio, órgão que cuida de florestas protegidas

Nomeação foi antecipada pelo Estadão no início de setembro, quando Fernando Cesar Lorencini assumiu o órgão interinamente, no lugar do coronel Homero de Giorge Cerqueira

Luci Ribeiro, O Estado de S.Paulo

22 de setembro de 2020 | 09h19

BRASÍLIA - O governo federal nomeou o coronel da Polícia Militar Fernando Cesar Lorencini para o cargo de presidente do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), órgão federal vinculado ao Ministério do Meio Ambiente responsável pelas unidades de conservação ambiental do País. A nomeação está publicada no Diário Oficial da União desta terça-feira, 22. Para assumir o novo posto, Lorencini foi exonerado do cargo anterior, de diretor de Planejamento, Administração e Logística do instituto.

A nomeação foi antecipada pelo Estadão no início de setembro, quando ele assumiu o órgão interinamente, no lugar do coronel Homero de Giorge Cerqueira. Lorencii chegou ao ICMBio em maio de 2019, como parte do movimento feito pelo ministro Ricardo Salles, de colocar nos cargos ligados à pasta pessoal comformação militar.  A saída abrupta do presidente anterior está relacionada a divergências ocorridas entre Cerqueira e Salles por causa dos incêndios que se alastram pela região do Pantanal

Ele foi o segundo a deixar o mesmo cargo por desavenças com Salles. Antes de Cerqueira, Adalberto Eberhard entregou seu pedido de exoneração após o ministro fazer acusações sobre a atuação de técnicos do órgão, durante uma reunião com produtores rurais do Rio Grande do Sul.

Lorencini vinha apoiando o processo de privatização dos parques nacionais hoje geridos pelo ICMBio, mas que o governo pretende repassar à iniciativa privada para exploração do turismo. O órgão ambiental também tem sofrido com restrições orçamentárias. O Ministério da Economia chegou a anunciar o bloqueio de R$ 39,8 milhões do orçamento do instituto este ano, mas recuou após a promessa de Salles de interromper fiscalizações e a repercussão negativa. 

Graduado em Direito pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, com mestrado profissional em Ciências Policiais e Ordem Pública (2009), Lorencini é coronel da PM paulista. Ele já foi chefe de gabinete e secretário adjunto da Secretaria Municipal de Segurança Urbana da cidade de São Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.