Isac Nóbrega/PR
Isac Nóbrega/PR

Em crítica ao Inpe, Bolsonaro diz que não pode haver 'órgãos aparelhados'

Em Manaus, presidente afirmou que convidou Angela Merkel e Emmanuel Macron para um sobrevoo na Amazônia

Sídia Ambrósio, especial para o Estado

25 de julho de 2019 | 16h33

MANAUS - O presidente Jair Bolsonaro (PSL) voltou a criticar, nesta quinta-feira, 25, os dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) que mostram o aumento do desmatamento da Amazônia. Em visita a Manaus, o presidente disse que, para ele, as informações do órgão não correspondem à realidade e que o governo "não pode ter órgãos aparelhados com pessoas que têm fidelidade às ONGs (organizações não governamentais) internacionais". 

"Então, esses dados servem para quê? Para alguém lá na ponta da linha ficar feliz e nos prejudicar nas relações que temos com o mundo. Estamos avançando no Mercosul, com o Estados Unidos, com o Japão, com a Coreia do Sul", afirmou Bolsonaro. "Isso nos atrapalha."

Bolsonaro disse que cabe aos ministros do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes, decidir se vão checar os dados do Inpe. "Estão na mão do Ricardo Salles e do astronauta Marcos Pontes. Não temos medo da verdade", disse durante solenidade em uma escola da Polícia Militar. "Agora, dados jogados para cima, para fazer onda, fazer 'oba-oba', aí não procede. Não podemos transmitir isso."

A divulgação de que o desmatamento na Amazônia brasileira aumentou 88% em comparação com o ano passado causou uma série de ataques entre o presidente e o diretor do Inpe, Ricardo Galvão, que disse, em entrevista ao Estado, que as acusações do governo são "conversa de botequim".

Desafio de sobrevoo na Amazônia

Ainda sobre o desmatamento na Amazônia, Bolsonaro voltou a dizer que, quando esteve em viagens internacionais, convidou a primeira-ministra da Alemanha, Angela Merkel, e o presidente da França, Emmanuel Macron, para sobrevoarem a floresta, de Boa Vista a Manaus.

"Se encontrar um quilômetro de floresta devastada, eu dou razão a eles. Agora, eu os convidei a me convidar também, a fazer a mesma coisa na Europa. Se achar um quilômetro de floresta, a mesma coisa", declarou. "Eu te perguntaria quantos palmos de mata ciliar são preservados na Europa? Dois palmos talvez? E aqui? O Brasil é o país que mais preserva. Tem país da Europa que não tem 1% das suas florestas preservadas. Nós queremos preservar o meio ambiente, mas não vamos entrar na psicose ambiental."

Conforme publicou o Estado no sábado, 20, a equipe do Mapbiomas – rede que envolve universidades, empresas de tecnologia e ONGs na análise de imagens de satélite e na produção de mapas sobre a cobertura e o uso da terra do Brasil – aceitou o desafio e fez um voo virtual sobre o trajeto.

O cruzamento de vários dados, como os do sistema Deter, do  Inpe, do Censipam – monitoramento feito pelo Ministério da Defesa, mostrou que entre janeiro e junho deste ano houve um desmatamento de 213 km² na região. A análise foi feita por pesquisadores liderados pelo engenheiro florestal Tasso Azevedo.

"Um sobrevoo de Boa Vista a Manaus com o Google Earth mostra todos os desmatamentos que ocorreram no governo Bolsonaro. E foi bem mais do que apenas 1 km²", disse Azevedo, que passou o levantamento ao Estado

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.