Reprodução
Reprodução

Bolsonaro usa vídeo de caça a baleias na Dinamarca para atacar Noruega

Imagens publicadas pelo presidente brasileiro no Twitter aconteceram nas Ilhas Faroe; cortes afetam Fundo Amazônia

Gabriel Wainer, O Estado de S.Paulo

19 de agosto de 2019 | 12h13
Atualizado 19 de agosto de 2019 | 15h37

SÃO PAULO - O presidente Jair Bolsonaro (PSL) publicou um vídeo da Dinamarca para criticar a caça de baleias na Noruega, país vizinho. Após a decisão do governo norueguês de suspender repasses de R$ 133 milhões para o Fundo Amazônia, o presidente postou imagens da caça aos mamíferos nas Ilhas Faroe, territórios dinamarqueses no Oceano Atlântico Norte, mas atribuiu à Noruega.

A caça comercial de baleias é permitida e sujeita a regras rígidas na Noruega. A única espécie do mamífero que pode ser caçada não está sob risco de extinção.

Em 2017, o país europeu ocupava o segundo lugar no ranking de matança do animal, com 432 baleias mortas, atrás apenas do Japão, que capturou 596 no mesmo ano.

No texto que acompanha o vídeo postado em sua conta pessoal do Twitter, Bolsonaro escreveu que "em torno de 40% do Fundo Amazônico vai para as... ONGs (organizações não governamentais), refúgio de muitos ambientalistas".

"Veja a matança de baleias patrocinada pela Noruega", escreveu o presidente.

Responsável pelas imagens, a ONG americana Sea Shepherd confirmou em suas redes sociais que o material exibido pelo presidente foi registrado nas Ilhas Faroe, na Dinamarca, e não na Noruega.

As imagens levaram a discussão ao topo dos temas mais debatidos na rede social na manhã desta segunda-feira, 19. Apesar de algumas manifestações de apoio ao presidente, a maioria das reações à postagem ironizava e criticava o equívoco geográfico cometido por Bolsonaro.

Caça de baleias na Noruega

Questionada pelo Estado na sexta-feira, 16, sobre a caça de baleias, a embaixada da Noruega no Brasil citou um artigo de 2016, no qual o Ministério de Comércio, Indústria e Pesca do país escandinavo afirma que a atividade é baseada nas melhores evidências científicas disponíveis

"Algumas espécies de baleias precisam de proteção, enquanto outras são abundantes", diz o ministério, citando como exemplo as baleias-minke, cuja caça é, segundo o texto, "uma atividade legal, tradicional e de pequena escala".

O artigo afirma ainda que a carne do animal é responsável por uma contribuição saudável para a dieta da população, rica em ômega 3 e gorduras insaturadas. 

Veja o número de baleias capturadas pela Noruega nos últimos anos: 

  • 2017: 432
  • 2016: 591
  • 2015: 660
  • 2014: 736
  • 2013: 594
  • 2012: 464
  • 2011: 533
  • 2010: 468

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.