Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

Até quando?

Brumadinho, Mariana e tantas outras infelicidades são uma rotina no nosso País. A elas nos habituamos e nos embrutecemos.

Fausto Macedo, O Estado de S.Paulo

31 de janeiro de 2019 | 13h19

 

Caro leitor,

Na sexta, 25, com a lama ainda escorrendo sobre Brumadinho, o ex-procurador-geral Rodrigo Janot postou no Twitter sua indignação. 'Até quando?'

Até por todo o sempre, prezado Janot, arrisco-me a uma previsão.

Ora, o mesmo assombro e o mesmo inconformismo que tiram o sono do combativo e corajoso ex-procurador-geral já nos haviam arrebatado quando Mariana viveu a sua tragédia, que é de todos nós, afinal, ou quando o Palace II do Sérgio Naya desmanchou assim do nada, no Rio, em 1998, o Bateau Mouche naufragou no Réveillon de 1988, o voo TAM 3054 que espatifou em Congonhas em 2007... para ficar em capítulos mais recentes, todos marcados pela impunidade ou, quando muito, uma e outra liçãozinha de araque.

Brumadinho, Mariana e tantas outras infelicidades são uma rotina no nosso País. A elas nos habituamos e nos embrutecemos.

O que dizer da desgraceira nossa de cada dia? Metrópoles mergulhadas no caos. Tudo é confuso, tudo é no improviso, na gambiarra.

O poder público? Ora, o poder público continua aquele velho carimbador de papel, ente burlesco, só criativo e desvelado quando mira o seu, o meu, o nosso bolso, via impostos, multas, taxações e afins. Ah, como ele é arguto nessas horas, caro Janot!

Quantos pais de família executados à bala nas esquinas, à luz do dia? Quantos acidentes de proporções absurdas nas rodovias esburacadas e sem luz deixam rastros de mortos e feridos?

Quantos pontilhões e vias desabam da noite para o dia e infernizam a vida do contribuinte desarmado?

Quantos eletrocutados na via pública porque deram o azar de tocar no fio solto que algum inconsequente deixou ali chicoteando o nada?

Qual o tamanho do prejuízo de tantas calamidades que poderiam ter sido evitadas não fossem a omissão e a leniência?

Quem são os responsáveis? Que punição receberam?

"Que mais precisa acontecer?", prostra-se o juiz Jayme de Oliveira, ante Brumadinho.

A lama seria 'mero' crime ambiental? No entendimento da advogada Janaína Paschoal, com seus dois milhões de votos para mandato na Assembleia Legislativa de São Paulo, há uma outra definição. Em sua conta no Twitter, ela diz que 'há um equívoco na abordagem'.

"Será que ainda não perceberam que não se trata de crime ambiental? Estamos diante de homicídios!"

Nesta terça, 29, a Polícia prendeu cinco suspeitos pelo mar de lama de Brumadinho. Prisões temporárias. E daí?

Ouvi do José Nêumanne, um desses jornalistas que não se dobram, ponderação muito oportuna. Ele disse que o Brasil não tem tragédias naturais, mas o brasileiro cuida naturalmente de produzi-las. Tem razão, meu amigo.

Sim, há instituições neste país que nos dão algum alento. Poderia citar aqui a do Janot, o Ministério Público, que, dentro dos seus limites e atribuições, como órgão persecutório, tenta acuar malfeitores do colarinho-branco, políticos, empresários. Faz bem o que está ao seu alcance. Não basta.

Testemunhamos outras corporações empenhadas na busca por um Brasil menos avacalhado. A Polícia Federal, a Controladoria...Não basta.

A Justiça, ao seu ritmo e modo, vai tocando. Vive mergulhada na sua rotina de processos, que são milhões, e no emaranhado de leis que travam sanções imediatas.

O problema do Brasil é cultural. A bandalheira entranhada. Viceja a propina. A fiscalização que alivia. O gestor mandrião.

Imaginemos um bolo monumental sabor Brasil. Selecione os ingredientes que lhe dão consistência. Claro, não podem faltar negligência, imprudência e imperícia, que formam a base sólida.

Adicione pitadas generosas de corrupção, desfaçatez, dolo.

A cereja, claro, é a 'vantagem indevida', assim denominada.

O resultado já é do conhecimento de todos.

Não à toa, o Brasil ocupa o 105º lugar no ranking da Transparência Internacional - caiu nove posições no Índice de Percepção da Corrupção (IPC) e está empatado com Argélia, Armênia, Costa do Marfim, Egito, El Salvador, Peru, Timor Leste e Zâmbia, informa o repórter Igor Moraes.

Até quando, caro Janot?

Leia nas Supercolunas:

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.