Zoológicos brigam pelo lucro do merchandising de Knut

O Zôo de Neumuenster é dono legal e reclama parte nos lucros gerados pelo urso para o Zôo de Berlim

AP

09 Julho 2008 | 15h45

Nenhum animal na Europa é mais fofo que o urso polar Knut - ou gerou mais dinheiro para um zoológico. Agora, há uma briga legal para ver quem fica com todos esses milhões.   Um zoológico alemão diz ser dono de Knut e disse nesta quarta-feira, 9, que vai ao tribunal para forçar o Zôo de Berlim a revelar quanto o urso gerou em produtos, parte de um primeiro passo na sua busca por uma parte da mina de ouro de Knut.   O Zôo de Neumuenster, no norte da Alemanha, é dono do pai de Knut, Lars, e disse ser o dono legal de seu primeiro filhote, Knut, dentro do acordo que fez com o Zôo de Berlim, onde o ursinho nasceu em 2006.   O Zôo de Berlim disse que reconhece a propriedade de Neumuenster a princípio, mas afirma que não dará à Neumuenster o direito sobre qualquer produto do urso.   O pequeno urso Knut - criado por humanos em Berlim depois que sua mãe o rejeitou - se tornou um fenômeno midiático no início de 2007.   O Zôo de Berlim reportou um aumento de 27% em seus visitantes no ano passado se comparado a 2006 e teve lucro de US$ 10,7 milhões. Ele tem licenças para todo o tipo de produtos de Knut, incluindo animais de pelúcia, camisetas, canecas e DVDs.   O diretor do Zôo de Neumuenster, Peter Druewa, disse que o zoológico tentou sem sucesso negociar com o Zôo de Berlim, mas se voltou ao tribunais para uma solução. "Não queremos tirar Knut de seu hábitat, mas temos o direito de pedir pelo nosso dinheiro", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.