Zoo em SP tem animais soltos, mas alimentados e condicionados

A única experiência no Brasil minimamente mais próxima da ideia de deixar animais exóticos perto de turistas é o ZooSafari, em São Paulo. Mas para por aí. Lá os animais não só existem em uma quantidade menor como estão contidos em um espaço também reduzido, em semicativeiro, e são alimentados.

O Estado de S.Paulo

06 Outubro 2012 | 03h08

Convidado a comentar a proposta do Tocantins, Paulo Bressan, diretor-presidente da Fundação Zoo, disse que não vê como a ideia poderia se sustentar. "É até difícil avaliar, de tão absurda. Eles falam em recriar aqui a cadeia natural, mas não seria natural, seria forçada", comenta.

Ele cita empecilhos práticos. "Esses animais não podem ser retirados da natureza. Leões que vêm para zoológicos não saem da África, onde estão ameaçados de extinção, mas de criadores na Europa. E no Brasil há uma sobra de leões de circo, velhos e fracos, que poderiam ir para um santuário, se a ideia é protegê-los. Mas um santuário não tem apelo comercial", diz.

Bressan também questiona o tamanho do empreendimento - 100 mil hectares. Essa condição, afirma, não pode ser chamada de cativeiro. Ao contrário, poderia configurar uma introdução de fauna exótica, o que é considerado crime ambiental. "Eles estariam simplesmente soltando os animais lá. Aqui o que fazemos não é só alimentar os bichos, mas eles são condicionados."

O veterinário pergunta o que seria feito da fauna local. "Colocar tudo junto é impraticável. E se tirarem os animais que estão lá, vão colocar onde? Imagina só limpar 100 mil hectares de fauna local para colocar exótica!" / G.G.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.