Vulcão no Equador registra mais de 11 explosões por hora

Um relatório divulgado na sexta-feira revela que, nas últimas 24 horas, foram registrados 61 abalos leves

EFE,

11 de janeiro de 2008 | 14h09

A cada hora há uma média de 11,7 explosões no vulcão Tungurahua, no centro do Equador, cuja atividade se mantém alta, com uma tendência de ascensão, informou na quinta-feira, 10, o Instituto Geofísico da Escola Politécnica Nacional.      O vulcão de 5.029 metros de altitude, que entrou em processo de erupção em 1999, registrou um aumento de sua atividade nas últimas semanas.    Segundo o instituto, o aumento permite supor que dentro de uma ou duas semanas haverá explosões de grande magnitude, como as de 14 de julho e 16 de agosto de 2006, que devastaram grandes extensões de terras cultivadas próximas.      Um relatório divulgado na sexta-feira revela que, nas últimas 24 horas, foram registrados 61 abalos leves e 72 episódios de tremor, com emissões de gás e cinza, assim como 283 explosões de intensidade leve e moderada, acompanhadas estrondos e rugidos.      Várias emissões de gás e cinzas criaram nuvens que subiram a cerca de 3 quilômetros sobre a cratera. O vento levou esse material à cidade turística de Baños e às regiões de Iyuchi, Runtún e Punzanzonas.      Além disso, há incandescência na beira da cratera, assim como queda de rochas expelidas, que rolam por centenas de metros pelas encostas da montanha.      A Defesa Civil e as Forças Armadas colaboram nas operações de remoção da população, sobretudo à noite, para permitir que as pessoas que habitam em áreas de risco cheguem a albergues instalados em setores de segurança.

Tudo o que sabemos sobre:
vulcãoerupçãoequador

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.