Vulcão esvazia cidade por três meses no Chile

A cidade chilena de Chaitén, atérecentemente o lar de 4.500 pessoas, ficará interditada portrês meses até que não esteja mais ameaçada por uma nuvem decinzas quentes oriundas de um vulcão em erupção, disse ogoverno na quarta-feira. O vulcão Chaitén, a dez quilômetros da cidade, entrou emerupção em 2 de maio pela primeira vez em milhares de anos,cuspindo cinzas gaz e lava para o alto. A nuvem de detritos, mantida no alto pela pressão deconstantes erupções, pode se dissipar e cair sobre a pequenacidade fantasma. "A presidente (Michele Bachelet) estabeleceu um período detrês meses sob o qual á área de grau zero será mantidaisolada", disse o ministro da Defesa, José Goni, a jornalistas. A coluna de cinzas sobre o Chaitén chegou a 32 quilômetrosde altura no início da erupção, mas já baixou para 7.000metros. Milhares de pessoas foram retiradas de suas casas num raiode 48 quilômetros da cratera, a 1.220 quilômetros ao sul dacapital Santiago. Imagens de satélite mostram uma faixa branca cortando o céudo sul do continente. Uma grande parte das cinzas foi parar navizinha Argentina, onde algumas cidades também foram encobertaspelos detritos.A cadeia chilena de cerca de 2.000 vulcões, 500 dos quaispotencialmente ativos, é a segunda maior do mundo, atrás apenasda Indonésia. (Reportagem de Bianca Frigiani)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.