Vulcão chileno coloca cidades argentinas em alerta

Várias cidades argentinaspermaneceram cobertas de cinzas na terça-feira, devido àerupção do vulcão chileno Chaitén, o que obrigou o país acontinuar a suspensão dos vôos comerciais à região e dasatividades escolares. As autoridades da província de Chubut recomendam não andarpelas ruas e estradas da zona afetada, mas garantem que ascinzas não são tóxicas. Apesar disso, a televisão local mostrou poucos cidadãos naregião central de Esquel e Travelin. Em alguns casos, a cinzanas calçadas chega a 10 centímetros. A camada de fumaça branca lançada pelo vulcão pode servista em território argentino. A parte mais afetada fica a maisou menos 1.800 quilômetros a sudoeste de Buenos Aires. O Serviço Metereológico Nacional (SMN) disse que, de acordocom a previsão dos ventos, as cinzas podem chegar ao centro dopaís. "Nas últimas imagens de satélite, observa-se uma importantemassa de cinzas vulcânicas que vai desde o vulcão Chaitén(...)até o noroeste de Chubut. Há redução da visibilidade", informouo SMN. O Serviço também disse que "estima que os ventos semantenham no sudoeste com intensidade moderada, razão pelaqual, segundo os modelos de dispersão de cinzas vulcânicas,prevê-se que elas poderiam alcançar o sul e o centro (daprovíncia) de La Pampa e o sul de Buenos Aires". O vulcão Chaitén intensificou sua atividade na terça-feiracom enormes colunas de cinzas e expulsão de lava, o que levouas poucas pessoas que continuavam no vilarejo mais próximo dovulcão a finalmente esvaziar a área. O vulcão já está no quinto dia de atividade, mas, atéagora, só havia expelido gases. (Reportagem de Jorge Otaola)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.