Flavio Ford
Flavio Ford

Volta do 'chupa-cabra' assusta moradores de bairro de Piracicaba

Animal misterioso que se assemelha a um leão idoso e magro foi avistado a distância por agrônomo e fotógrafo na zona rural

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

24 Junho 2016 | 11h38

SOROCABA - Ataques a animais domésticos e pegadas muito grandes para serem de lobo-guará, jaguatirica ou onça-parda levaram moradores do bairro rural do Tanquã a acreditarem na volta do "chupa-cabra", em Piracicaba, no interior de São Paulo. O apelido foi dado a um mítico predador que levou pavor às populações rurais nos anos 1990, por atacar e sugar o sangue de cabras, ovelhas e outros animais.

No caso de Piracicaba, o bicho estranho foi fotografado a distância, na última segunda-feira, 21, pelo inglês Flavio Ford, que acompanhava o engenheiro agrônomo João Marcelo Elias em um trabalho ambiental na região.

O agrônomo fazia a mediação de mognos em matas da Fazenda São Francisco quando avistou o bicho. "Era um animal alto, mas não consegui identificar, por isso pedi ao meu amigo para fazer uma foto usando lente de aproximação. Quando vimos o resultado, foi uma surpresa", relatou.

Segundo ele, o animal parece um leão idoso e magro. Elias foi atrás de pegadas do bicho e as fotografou. O material foi mostrado a um veterinário que também acredita ser um leão. No Brasil, esses felinos são encontrados apenas em cativeiro. "Pode ser leão fugido de algum zoológico ou circo", ponderou o agrônomo.

Moradores que viram a foto pouco nítida ficaram em dúvida, segundo Elias. "Faz algum tempo que circulam boatos dando conta da existência de um chupa-cabra ou lobisomem na região. As pessoas encaram com bom humor, mas, se for um leão, é bom que seja capturado."

Uma empresa se interessou pelo caso e cedeu armadilhas fotográficas que já foram instaladas na mata. Se o bicho for mesmo um leão, e não o chupa-cabra, a Polícia Militar Ambiental da região já se prontificou a realizar uma operação de captura do felino.

Mais conteúdo sobre:
São PauloEliasBrasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.