Vítima de abuso sexual critica declaração do papa sobre palmadas

Uma vítima de abuso sexual de um clérigo criticou o papa Francisco, neste sábado, por uma declaração que pareceu endossar pais que batem em seus filhos.

PHILI, REUTERS

07 Fevereiro 2015 | 16h46

"Crianças não precisam apanhar. Precisamos falar sobre uma criação positiva dos filhos. Violência física não tem vez nos dias modernos", disse Peter Saunders, que está aconselhando o Vaticano sobre como lidar com a crise de abusos sexuais na Igreja Católica.

"Eu apanhei durante a minha infância e isso me fez muito mal", disse Saunders, que foi vítima de abuso cometido por um padre quando era adolescente e é um dos 17 membros da comissão do Vaticano com a atribuição de recomendar reformas para a Igreja.

Durante uma conversa sobre paternidade em sua audiência geral, na última quarta-feira, Francisco saiu do texto preparado para lembrar uma conversa que teve com um pai certa vez.

Ele citou o homem dizendo: "Eu algumas vezes tenho que bater nas crianças um pouco, mas eu nunca lhes dou um tapa na cara para não desmoralizá-los".

O papa acrescentou, com suas próprias palavras: "Que bonito! Ele tem um senso de dignidade. Ele precisa punir. Ele faz isso da maneira correta e segue em frente".

O papa foi muito criticado nas redes sociais pelos comentários.

Falando em uma entrevista coletiva sobre a crise de abuso sexual da Igreja Católica, Saunders disse que ficou surpreso quando ouviu o que considerou ser um "endosso a pais que batem em seus filhos", e acrescentou que planeja conversar com o papa sobre isso na próxima vez que o encontrar.

Mais conteúdo sobre:
RELIGIAOPAPACRITICADOPALMADA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.