Vida no zoológico está matando elefantes, diz estudo

A vida no zoológico pode ser fatal para os elefantes, disseram pesquisadores em um estudo que mostrou que os elefantes selvagens vivem muito mais tempo do que os mantidos em cativeiro. Segundo o estudo, em média, a fêmea africana consegue chegar apenas aos 17 anos em um zoológico, enquanto as fêmeas vivendo naturalmente, no Parque Nacional Amboseli, no Quênia, vivem uma média de 56 anos. O estresse e a obesidade são provavelmente os fatores responsáveis pelas mortes, afirmou Ros Clubb e seus colegas da Sociedade Real Britânica para a Prevenção de Crueldade contra Animais. "Nos zoológicos, o bem estar dos elefantes africanos (Loxodonta africana) e asiáticos (Elephas maximus) é motivo de preocupação", escreveram os pesquisadores na edição de sexta-feira do periódico Science. "Infanticídio, herpes, tuberculose, manqueira, infertilidade e comportamento estereotipado predominam. As populações de elefantes mantidos em zoológicos não são sustentáveis sem importações". A equipe internacional de pesquisadores estudou mais de 4.500 elefantes, incluindo cerca da metade da população mantida em cativeiro no mundo. "A mortalidade de filhotes e de jovens não difere entre as populações, mas as fêmeas adultas morrem mais cedo nos zoológicos do que no parque nacional", escreveram. (Por Maggie Fox)

REUTERS

12 Dezembro 2008 | 11h22

Mais conteúdo sobre:
ANIMAIS ELEFANTE PESQUISA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.