Ventos com força de furacão atingem Grã-Bretanha e se aproximam de Europa continental

Ventos com força de furacão interromperam o transporte e a eletricidade no norte da Grã-Bretanha e se moviam em direção à Europa continental, enquanto meteorologistas advertiram que a tempestade Xaver poderia ser a pior a atingir a região nos últimos anos.

Reuters

05 Dezembro 2013 | 21h19

As autoridades britânicas disseram que a Barreira do Tâmisa, projetada para proteger Londres de inundações durante as marés excepcionais, seria fechada na noite desta quinta-feira e alertaram para "a mais grave elevação de maré há mais de 60 anos na Inglaterra". O primeiro-ministro britânico, David Cameron, convocou duas reuniões de emergência para discutir a estratégia.

Duas pessoas morreram na Grã-Bretanha, e o escritório meteorológico do país mediu ventos de até 225 quilômetros por hora quando a tempestade atingiu a Escócia e partes da Inglaterra.

Um motorista de caminhão morreu e quatro pessoas ficaram feridas quando o veículo capotou e colidiu com outros carros em West Lothian, na Escócia, segundo a polícia, enquanto um segundo homem morreu perto de Nottingham, na região central da Inglaterra, ao ser atingido pela queda de uma árvore.

Mais de 100.000 casas ficaram sem energia elétrica em toda a Grã-Bretanha, 80 mil delas na Escócia, de acordo com a empresa de energia SSE.

Todos os serviços de trem na Escócia foram cancelados na manhã desta quinta-feira devido a detritos sobre os trilhos, mas os serviços foram lentamente retomados à tarde.

Equipes de salvamento marítimo foram chamadas para resgatar as pessoas de suas casas inundadas em Rhyl, no norte do País de Gales, nesta manhã.

Áreas de baixa altitude na costa leste da Inglaterra estavam à espera da tempestade nesta noite. A Agência de Meio Ambiente da Europa emitiu 41 avisos de enchentes graves, a mais alta categoria.

A cidade portuária de Hamburgo, no norte da Alemanha, se preparava para ser diretamente atingida. Alguns analistas disseram que o impacto poderia ser tão forte quanto a tempestade e a inundação que atingiram a cidade em 1962, quando 315 pessoas morreram.

Dos 377 aviões programados para pousar ou decolar do aeroporto de Hamburgo nesta quinta-feira, 120 foram cancelados ou desviados devido a ventos fortes. O aeroporto informou que espera que os cancelamentos e atrasos continuem na sexta-feira.

A ponte Oresund que liga o sul da Suécia à Dinamarca foi fechada à tarde. Algumas linhas ferroviárias no sul da Suécia foram fechadas, com fortes ventos esperados no sul e neve pesada mais ao norte.

Na Dinamarca, a companhia ferroviária DSB disse que irá suspender a maioria dos trens. A companhia aérea Alsie Express cancelou todos os voos domésticos.

Os serviços de trens no norte da Holanda também foram interrompidos, disse a empresa ferroviária holandesa. No Aeroporto Schiphol, de Amsterdã, 50 voos foram cancelados, disse um porta-voz, acrescentando que poderia haver mais cancelamentos.

(Reportagem adicional de Matthias Baehr, em Berlim; de Thomas Escritt, em Amsterdã, e de Ole Mikkelsen, em Copenhagen)

Mais conteúdo sobre:
CLIMA EUROPA VENTOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.