Efe
Efe

Venezuela diz que afundamento da plataforma não gera risco ambiental

Governo venezuelano afirma que poço foi desligado e válvulas de segurança foram ativadas

Efe

13 Maio 2010 | 11h31

CARACAS - O Governo venezuelano garantiu que não existe nenhum risco de a plataforma de gás "Aban Pearl" que nesta quinta-feira, 13, afundou em frente ao litoral oriental do país gere algum tipo de contaminação ambiental.

 

Veja também:

linkPlataforma afunda na Venezuela, diz Chávez no Twitter

linkDispositivo antiexplosão de plataforma da BP tinha falhas, diz comissão

 

"Não há nenhum perigo de fuga de gás, que neste caso seria gás seco. O poço da plataforma foi desligado, foram ativadas as válvulas de segurança e ainda outro mecanismo adicional. Posso afirmar que o poço Dragão 6 está estável", disse o ministro da Energia, Rafael Ramírez, ao canal estatal de televisão.

 

"Adotamos todos os procedimentos estabelecidos para casos como estes", acrescentou Ramírez, depois de ratificar que os 95 ocupantes da plataforma foram resgatados com vida.

 

Salvamento

 

O ministro explicou que inicialmente foram retirados quase todos os trabalhadores, menos o capitão e os dois responsáveis pelo sistema de flutuação. "Por volta da 1h30 no horário local o capitão e seus dois ajudantes foram resgatados porque a inclinação da plataforma atingiu 45 graus. Uma hora depois ocorreu o afundamento. Agora, não há nenhum rastro que ali havia uma plataforma", destacou Ramírez.

 

O ministro informou que vai viajar a cidade de Carúpano, a 545 quilômetros ao leste de Caracas, para chegar até o navio broca "Netuno", próximo ao fundo, e avaliar a situação a partir do local do acidente.

 

Ramírez assinalou que a plataforma é de propriedade da empresa indiana "Petromarin" e destacou que antes de iniciarem as suas operações em águas venezuelanas a idoneidade da empresa reguladora foi inspecionada e certificada. "Disseram que estava em ótimas condições, por isso temos de ser muito cuidadosos na investigação", manifestou o titular de Energia ao referir-se às causas que poderiam gerar o acidente.

 

Causa do afundamento

 

Ramírez adiantou que tudo parece indicar que o problema surgiu em um dos pontilhões situados na base da plataforma, onde se apoiam as colunas de sustentação. Esses pontilhões têm um sistema de equilíbrio que inclui válvulas de bombeamento e outros mecanismos reguladores que, aparentemente, falharam em alguma das manobras.

 

Ramírez revelou que a investigação incluirá o envio ao fundo do mar de um robô "que fará uma inspeção direta da estrutura sobre a qual se assentava a plataforma. Reiterou ainda que poço Dragão 6 foi "fechado" com fluidos especiais e por outros sistemas de segurança e que "não há risco de contaminação ambiental".

 

O anúncio do afundamento da plataforma foi feito pelo presidente da Venezuela, Hugo Chávez, na madrugada por meio da sua conta na rede social Twitter. "Com pesar informo que afundou a plataforma de gás "Aban Pearl" há poucos momentos. A boa notícia é que os 95 trabalhadores estão a salvo", escreveu Chávez em sua primeira mensagem sobre o assunto.

 

Pouco depois, o presidente venezuelano voltou a informar que os trabalhadores haviam sido resgatados e dois patrulheiros da Marinha estavam na região. Chávez detalhou que a "plataforma era semissubmergível" que "a meia-noite inclinou, acumulou água", por isso que "encerraram as operações" e retiraram os trabalhadores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.