Leandro Fonseca
Leandro Fonseca

Venda de produtos usados evita o aquecimento global

Estudo revela que transações feitas em 2019 pouparam a emissão de 6 milhões de toneladas de CO2 na atmosfera

João Prata, O Estado de S.Paulo

09 de novembro de 2020 | 15h00

O CEO da OLX Brasil, Andries Oudshoorn, acredita que o brasileiro está mudando o comportamento em relação aos itens usados. A plataforma de compra e venda de produtos está há dez anos no País e vê uma transformação na mentalidade da população mais por motivos econômicos do que pela preocupação ambiental.

"Não fazia parte da cultura brasileira comprar produtos usados quando viemos para cá há dez anos", conta o holandês que já fala português fluente - com sotaque, é verdade. "Até então somente 10% dos brasileiros tinham vendido algo online. Agora já são 50%. Na cultura latina havia certo preconceito com produtos usados. No Brasil existe um maior motivador econômico, mas está mudando, tomando consciência sobre a sustentabilidade. Vejo na Europa que não é pelo dinheiro, mais pela satisfação", acrescentou.

Independentemente da motivação, o fato é que a compra e venda de produtos usados está ajudando o meio ambiente. Estudo da Second Hand Effect, encomendado pela OLX Brasil, divulgado em julho, revelou que as transações feitas em 2019, por meio da plataforma, pouparam a emissão de 6 milhões de toneladas de CO2 na atmosfera.

O volume representa o mesmo que parar completamente o tráfego de veículos na cidade do Rio de Janeiro por 14 meses ou interromper 5,4 milhões de voos de ida e volta entre a capital fluminense e Nova Iorque, nos Estados Unidos.

O estudo leva em consideração estatísticas de vendas por meio da OLX Brasil, pesquisas com usuários, informações sobre o consumo de energia da operação da empresa nos escritórios do Rio de Janeiro e de São Paulo, o consumo dos servidores e a quantidade de viagens a trabalho de carro e avião realizadas pelos funcionários.

O CEO da OLX acha que o Brasil precisa dar maior importância para o movimento de consertar. "Poderia ajudar muito ter produtos desenhados com vida útil prolongada. A gente está focado mais no comportamento do consumidor. Na OLX há muitos casos de a pessoa comprar o produto quebrado para consertar."

Apesar da pandemia, a venda de usados está em expansão no Brasil. Oudshoorn espera nos próximos anos conquistar a outra metade da população que ainda não faz vendas online. Para isso, a empresa aposta em um novo serviço onde as pessoas não precisam mais se encontrar fisicamente. É tudo realizado dentro da plataforma, com a possibilidade de pagamento parcelado, garantia de só debitar após a confirmação da chegada do produto.

Tudo o que sabemos sobre:
OLXatmosfera terrestremeio ambiente

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.