Veja os cenários possíveis para o desfecho da COP

Hipótese mais otimista, de acordo que estabeleça marco legal para corte na emissão de poluentes, é considerada remota

REUTERS

16 Dezembro 2009 | 20h00

Cerca de 120 líderes mundiais estão reunidos em Copenhague tentando superar o impasse nas negociações sobre o clima na COP-15. Veja aqui possíveis cenários para o encerramento da conferência:

Qual seria o melhor desfecho possível para a COP?

Um acordo que estabeleça compromissos legais de países desenvolvidos com vistas ao corte acentuado de emissão de gases que provocam o efeito estufa até 2020; que crie um cronograma de ações de países em desenvolvimento para reduzir suas emissões crescentes; e preveja um pacote de ajuda financeira e tecnológica para nações pobres. Quase todos os países participantes consideram impossível que o texto final estabeleça obrigações legais.

Qual acordo é mais provável?

Líderes mundiais podem aceitar um documento final que estabeleça apenas compromissos “políticos” e tentar chegar a um marco legal em 2010.

Se houver um acordo, o que ele deve estabelecer?

A meta global mais fácil de ser negociada é a que limita o aquecimento global ao máximo de 2 graus (na comparação com o período pré-Revolução Industrial). Países pobres e pequenas ilhas defendem a adoção de um limite mais rígido, de 1,5 grau. O problema desse tipo de acordo é que uma meta global não obriga os países a adotarem objetivos individuais. Uma meta mais severa, mais ainda distante, é a de cortar pela metade a emissão dos gases do efeito estufa até 2050. Mas China, Índia e outras nações em desenvolvimento (entre elas o Brasil) se opõem a isso, alegando que países ricos têm antes de fazer cortes mais radicais em suas emissões até 2020.

O que as nações ricas precisam fazer?

Determinar cortes mais severos na emissão de poluentes até 2020. O IPCC, painel de cientistas ligado à ONU, sugeriu em 2007 que as emissões sejam reduzidas em porcentuais de 25% a 40% até 2020 (na comparação com os níveis de 1990) para evitar os efeitos mais dramáticos da mudança climática, como secas, extinção de espécies e aumento do nível dos oceanos. As metas apresentadas por nações industrializadas até agora variam de 14% a 18%.

E os países em desenvolvimento?

Precisam aceitar uma “guinada substantiva” na emissão de gases do efeito estufa, para reduzir o aumento projetado da poluição até 2020 (estimulando, por exemplo, o uso de energia solar ou eólica e desativando usinas movidas a carvão).

E o financiamento para os países pobres?

A última versão do texto não menciona valores a serem investidos. A ONU quer levantar pelo menos US$ 10 bilhões por ano de 2010 a 2012 em novos fundos, que seriam o embrião de um acordo para apoiar países pobres. Várias nações defendem a necessidade de repassar US$100 bilhões por ano a partir de 2020 para ajudar países subdesenvolvidos.

O que acontece se as negociações fracassarem?

Uma opção é “suspender” a COP e reiniciá-la em 2010. Um impasse completo nas negociações pode aumentar a desconfiança entre países ricos e próprios e no próprio papel da ONU. O fracasso na negociação também levaria, provavelmente, o Senado americano a abandonar a análise da legislação que prevê o corte nas emissões de poluentes do país.

Mais conteúdo sobre:
planetacopaquecimento global

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.