Veja as cidades que estão com rodízio de água em razão da seca histórica deste ano

As bacias dos Rios Grande, Paraná, Paranapanema e Paraguai - que banham São Paulo, Paraná, Minas, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul - estão sob os efeitos da estiagem severa

Redação, O Estado de S.Paulo

13 de agosto de 2021 | 05h00

Ao menos 53 municípios de cinco Estados estão racionando água em razão da seca histórica registrada nesta ano. O fenômeno afeta ainda a navegação e também contribui para o desequilíbrio do ecossistema nas Regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste do País. As bacias dos Rios Grande, Paraná, Paranapanema e Paraguai - que banham São Paulo, Paraná, Minas, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul - estão sob os efeitos da estiagem severa. 

Veja abaixo a lista de cidades que estão sob regime de racionamento de água:

  • Mato Grosso – Tangará da Serra, Várzea Grande, São José dos Quatro Marcos, Nova Brasilândia e Planalto da Serra.
  • Mato Grosso do Sul – Coxim e Corumbá.
  • Minas Gerais – Bom Jesus de Cardosos, Bugre, Campanha, Coluna, São Gonçalo do Sapucaí e Santa Efigênia de Minas.
  • São Paulo – Itu, Bauru, Salto, São José do Rio Preto, Santa Fé do Sul, Catanduva, Santa Cruz das Palmeiras, Rio das Pedras e Araçoiaba da Serra.
  • Paraná – Curitiba, Adrianópolis, Agudos do Sul, Almirante Tamandaré, Araucária, Balsa Nova, Bocaiúva do Sul, Campina Grande do Sul, Campo do Tenente, Campo Largo, Campo Magro, Cerro Azul, Colombo, Contenda, Doutor Ulysses, Fazenda Rio Grande, Itaperuçu, Lapa, Mandiritiba, Piên, Pinhais, Piraquara, Quatro Barras, Quitandinha, Rio Branco do Sul, Rio Negro, São José dos Pinhais, Tijucas do Sul e Tunas do Paraná (RM Curitiba), Santo Antônio do Sudoeste e Pranchinha (interior).

No Sudeste e Centro-Oeste, o último período chuvoso durou menos, o que agravou a seca, que deve continuar ao menos até o fim de outubro. “Depois que chove, o tempo de resposta das bacias para normalizar o nível dos rios tem defasagem de dois a três meses”, diz Ibrahim Fantin da Cruz, especialista da Universidade Federal de Mato Grosso.

Após a seca longa, segundo ele, é preciso encharcar o solo e alimentar lençóis freáticos exauridos. “Quando pensamos em mudanças climáticas, sabemos da importância da Amazônia para o transporte de umidade ao Sudeste e ao Centro-Oeste. Mas também é preciso pensar em (preservar) vegetações nativas locais, próximas dos mananciais, importantes para infiltração da água e alimentação de rios”, aponta. 

Tudo o que sabemos sobre:
secaabastecimento de água

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.