AP
AP

Vazamento pode ser quase quatro vezes maior do que o estimado pela BP

Se estimativa dos especialistas se confirmar, vazamento será o maior da história dos EUA

Reuters

27 Maio 2010 | 11h50

HOUSTON - Especialistas designados pelo governo norte-americano estimam que o vazamento de óleo no Golfo do México pode ser de até 19 mil barris (cerca de 3 milhões de litros) por dia, quase quatro vezes maior do que o estimado pela companhia petrolífera BP, administradora do poço de petróleo. A informação foi divulgada nesta quinta-feira, 27, pela direção do Serviço de Geologia dos EUA.

 

Veja também:

linkBP afirma que operação para fechar vazamento de óleo está funcionando

linkBP teria recebido alerta antes de vazamento de petróleo

 

Até o momento, a BP estima que cinco mil barris (cerca de 795 mil litros) de óleo estão vazando por dia do poço no Golfo do México após a explosão de uma plataforma petrolífera da companhia britânica no dia 20 de abril.

 

Se a estimativa do grupo de especialistas se confirmar, o vazamento do Golfo do México passará a ser o maior da história dos Estados Unidos, superando o acidente que envolveu a petrolífera Exxon Valdez em 1989, quando 42 milhões de litros de óleo vazaram próximo à costa do Alasca. Levando em conta a mais alta estimativa dos especialistas, cerca de 148 milhões de litros podem já ter vazado no Golf do México.

 

Operação de estancamento

 

Na manhã desta quinta-feira, a Guarda Costeira dos EUA anunciou que o poço de onde vaza óleo teria sido fechado na operação de estancamento, mas a BP não confirmou a informação. Em seguida, um porta-voz da companhia anunciou que a "operação ainda continuava".

 

Usando robôs submarinos, os engenheiros da BP injetam fluidos pesados (como lama e concreto) até a boca do poço, a 1.600 metros de profundidade. É uma manobra conhecida como "top kill", algo como "matar por cima", que nunca foi tentada a tamanha profundidade. Consiste basicamente em "sufocar" o vazamento dentro do poço.

 

(Atualizada às 12h30)

Mais conteúdo sobre:
vazamento oleo petroleo Golfo do Mexico BP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.