Vazamento nos EUA é 'catástrofe nacional'; mancha chega à costa na 6ª.

A BP será pressionada de todas as formas pelo governo dos EUA, dizem autoridades

EFE, REUTERS e AP

29 Abril 2010 | 14h02

 

 

WASHINGTON - O governo dos Estados Unidos declarou o vazamento de petróleo no Golfo do México, diante da costa da Louisiana, uma "catástrofe nacional" no que ameaça ser um dos maiores desastres ecológicos da história do país.

 

Veja também:

linkGoverno dos EUA oferece apoio militar para controlar vazamento de petróleo

linkVazamento de óleo dos EUA pode ser um dos maiores da história 

linkVazamento faz EUA evacuar outra plataforma de petróleo  

 

A secretária de Segurança Nacional, Janet Napolitano, disse em entrevista coletiva que decretar o estado de "catástrofe nacional" permite ao governo mobilizar mais recursos para fazer frente ao vazamento. Representantes do governo Obama declararam que a mancha de óleo deverá chegar ao litoral na noite de sexta-feira, atingindo o delta do Rio Mississippi.

 

A jornalistas, as autoridades disseram que a empresa responsável, BP Plc, será pressionada de todas as maneiras para deter o vazamento e fazer a limpeza. Poderão ser necessários até 90 dias para que uma válvula capaz de deter o vazamento seja instalada.

 

David Hayes, um alto funcionário do Departamento de Interior, disse que não está descartada uma interrupção nas autorizações para prospecção de petróleo em águas profundas, por conta do desastre.

 

A administração rejeitou críticas de que o governo federal tenha sido lento em reagir á crise e expressou frustração com a demora da BP em lacrar o poço rompido. O governo aprovou o início da perfuração de um poço extra para aliviar a pressão no que está descontrolado.

 

O governo Obama está enfatizando que os custos da limpeza e da recuperação recairão sobre a empresa, não os contribuintes.

 

Mancha de óleo já ameaça o frágil ecossistema de manguezais da Louisiana

 

Mais conteúdo sobre:
vazamento petróleo óleo golfo do méxico

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.