Vazamento é o 11 de Setembro do meio ambiente, diz Obama

Para presidente, incidente moldará políticas ambientais como ataques moldaram política externa.

BBC Brasil, BBC

14 Junho 2010 | 12h00

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, afirmou que o atual vazamento de petróleo no Golfo do México terá um impacto na psique no povo americano comparável ao do 11 de Setembro.

"Da mesma forma que a visão sobre nossas vulnerabilidades e nossa política externa foi profundamente moldada pelo 11 de Setembro, eu acredito que esse desastre vá moldar a maneira como pensamos sobre o meio ambiente e a energia por muitos anos", disse Obama em entrevista ao site americano Politico.

O presidente americano, que visitará pela quarta vez nesta segunda-feira áreas afetadas pelo desastre, prometeu "avançar de forma decisiva em uma direção que nos dê o tipo de política de energia visionária e orientada para o futuro".

Obama disse ainda não ser possível prever se ocorrerá, ainda em sua geração, uma completa transição na economia americana que acabe com a dependência do petróleo.

"Agora, é a hora de começar a fazer essa transição e investir em uma nova forma de fazer negócios quando se trata de energia", disse.

Medidas

Na terça-feira, Obama detalhará as próximas medidas de seu governo sobre o vazamento em um pronunciamento sobre o assunto da Casa Branca.

O vazamento no poço localizado a 1,5 mil metros de profundidade começou no dia 20 de abril, após uma explosão na plataforma Deepwater Horizon, operada pela BP, num incidente que provocou a morte de 11 trabalhadores.

Após várias tentativas frustradas de conter o vazamento, a BP conseguiu na semana passada colocar um dispositivo sobre a área danificada para recolher cerca de 15 mil barris por dia.

Segundo as estimativas, cerca de 40 mil barris de petróleo vinham vazando diariamente do poço desde o acidente.

Ainda nesta segunda-feira, executivos da BP devem ter uma reunião para discutir se irão suspender o pagamento previsto de dividendos aos acionistas.

A empresa vem sendo pressionada pelo governo americano para suspender o pagamento bilionário e usar o dinheiro no esforço de limpeza do vazamento.

Até o momento, a limpeza já custou à BP cerca de 1,6 bilhão. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.