Vazamento de plataforma afundada ameaça causar desastre ambiental

Mancha de petróleo formada após explosão no Golfo do México pode avançar sobre costa dos EUA

BBC Brasil, BBC

26 de abril de 2010 | 05h48

Mancha de óleo na costa da Louisiana já chega a 1.500 quilômetros quadrados  

 

A explosão de uma plataforma de petróleo em frente à costa americana, na semana passada, e o subsequente vazamento de cerca de mil barris de petróleo por dia no mar podem provocar um desastre ambiental, segundo autoridades.

Os esforços de limpeza do óleo em frente à costa da Louisiana foram suspensos nos últimos dois dias por causa do mau tempo na região e mancha no mar já chega a 1.500 quilômetros quadrados.

Onze funcionários da plataforma - que era operada pela BP - continuam desaparecidos e acredita-se que eles foram mortos no acidente. Mais de cem funcionários foram resgatados.

A plataforma Deepwater Horizon explodiu na terça-feira passada e afundou na quinta, depois de ficar dois dias em chamas.

Segundo as autoridades locais, o vazamento de óleo tem potencial para danificar praias, ilhotas e manguezais na costa da região.

A plataforma realizava perfurações exploratórias 84 quilômetros ao sudoeste de Venice, na Louisiana, quando ocorreu a explosão.

A BP está usando um submarino robô para tentar fechar válvulas no poço e acabar com o vazamento, mas a tarefa é extremamente complexa e pode não ser bem sucedida, disseram fontes da BP à agência de notícias Reuters.

A empresa também acionou mais de 30 navios e vários aviões para espalhar agentes dispersantes sobre a mancha de óleo, mas os esforços foram suspensos no fim de semana por causa do mau tempo.

Por enquanto, as condições meteorológicas estão mantendo a mancha distante da costa e especialistas esperam que as ondas ajudem a "quebrar" a mancha, permitindo que o óleo endureça e desça para o chão do oceano.

Prioridade

Inicialmente, a guarda costeira acreditava estar lidando apenas com um vazamento residual na superfície, mas depois constatou que havia óleo vazando de canos a 1.500 metros de profundidade.

No ano passado, a BP foi multada em US$ 87 milhões por não ter melhorado as condições de segurança depois de uma enorme explosão que provocou a morte de 15 pessoas em uma refinaria na cidade do Texas.

O Serviço de Administração Mineral dos Estados Unidos tinha realizado inspeções de rotina na plataforma Deepwater Horizon em fevereiro, março e abril deste ano, sem encontrar nenhuma violação às normas de segurança.

A causa da explosão ainda não foi identificada.

Na quinta-feira, o presidente americano, Barack Obama, disse que seu governo está oferecendo "toda assistência necessária" para o resgate e para os esforços de limpeza na região.

Ele descreveu a crise na plataforma operada pela BP como a "prioridade número um" de seu governo. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.