Várzea do Tietê ganha plano de manejo na Grande São Paulo

Relatório versa sobre os usos da área, em conformidade com os objetivo de criação da APA, de controlar enchentes e evitar a ocupação

José Maria Tomazela, O Estado de S. Paulo

31 de janeiro de 2017 | 23h56

SOROCABA - O Conselho Estadual do Meio Ambiente (Consema) aprovou nesta terça-feira, 31, o plano de manejo da Área de Proteção Ambiental (APA) Várzea do Rio Tietê, na Região Metropolitana de São Paulo. O relatório versa sobre os usos da área, em conformidade com os objetivo de criação da APA, de controlar enchentes e evitar a ocupação das várzeas do Tietê. O documento teve 23 votos favoráveis, cinco contrários e uma abstenção.

A APA abrange os municípios de São Paulo, Guarulhos, Itaquaquecetuba, Poá, Suzano, Mogi das Cruzes, Biritba Mirim, Salesópolis, Osasco, Carapicuíba, Barueri e Santana de Parnaíba. A unidade é um dos principais refúgios da fauna e da flora da região, abrigando animais como a capivara e a lontra e grande variedade de aves aquáticas. 

As várzeas apresentam larguras de 200 e 600 metros e correspondem a terrenos alagadiços, sujeitos a inundações nas épocas de chuva, por isso ajudam a regular as cheias e controlar enchentes.

Criada em 1987, a APA abrange território de quase 10 mil hectares, incluindo o Parque Ecológico do Tietê, administrado pelo Departamento de Águas e Energia Elétrica (Daee). As áreas lindeiras do parque são usadas para atividades de lazer da população do entorno.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.