Leonardo Pinto
Leonardo Pinto

USP inaugura escritório da ONU com foco em pesquisas sobre desenvolvimento sustentável

Projeto pretende estabelecer um laboratório de políticas públicas para apresentar soluções a problemas urbanos de estados e municípios

Leonardo Pinto, Especial para o Estado

25 Outubro 2017 | 13h08

A Universidade de São Paulo (USP) inaugurou, na tarde desta terça-feira, um escritório vinculado à Organização das Nações Unidas (ONU) para acelerar o processo de pesquisa e criação de políticas públicas em relação aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), que estabelecem metas humanitárias a serem cumpridas até 2030. O Estado antecipou a informação sobre o acordo, assinado há um mês na semana da Assembleia Geral da ONU, em Nova York. Na ocasião, a professora e superintendente de Gestão Ambiental da USP, Patricia Iglecias, responsável por toda a negociação e pela coordenação do escritório, disse que a ideia é que a USP possa contribuir com municípios e estados deficientes de estrutura e corpo técnico adequado, dando conhecimento científico para que consigam apresentar planos e colocar em prática ações ligadas à sustentabilidade, tornando a agenda 2030 mais palpável.

O prédio do Centro de Difusão Internacional (CDI), na Cidade Universitária, será a primeira sede oficial do programa Cidades, do Pacto Global - acordo humanitário entre empresas, organizações da sociedade civil e demais instituições de todo o mundo coordenado pela própria ONU.  Na cerimônia, o reitor da USP, Marco Antonio Zago, definiu a sede do escritório da ONU como um símbolo de "extrema relevância" para as cidades do Brasil e para a universidade. "Esse programa é baseado nos problemas que vivem as cidades. Atualmente, cerca de 85% da população brasileira é urbana e, nas grandes cidades, os problemas se multiplicam. Apoiamos entusiasticamente essa iniciativa, que consolida nossa visão de derrubar muros e construir pontes para a sociedade", discursou o docente. 

Também estavam presentes na mesa principal, ao lado de Zago e Iglecias, o presidente da Fapesp, José Goldemberg, o presidente do Tribunal de Contas do Estado (TCE-SP), Sidney Beraldo, a assessora especial do governo de SP, Ana Paula Fava, representando o governador Geraldo Alckmin (PSDB), e o secretário-executivo do Pacto Global no Brasil, Carlo Pereira. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.