Urbanização ameaça desenvolvimento sustentável na África

Adoção de medidas para mitigar mudanças climáticas poderia resolver alguns dos problemas das cidades

Kylie MacLellan, da Reuters

08 Fevereiro 2010 | 17h15

A rápida e caótica urbanização ameaça o desenvolvimento sustentável na África, disse a chefe da agência de habitação da ONU (UN-Habitat) nesta segunda-feira. Mas a adoção de medidas para mitigar as mudanças climáticas poderia ajudar a resolver alguns dos problemas das cidades. 

 

As populações das grandes cidades em rápida expansão na África, como Lagos, na Nigéria, devem continuar crescendo a taxas anuais de cerca de 4% de acordo com as Nações Unidas, pressionando a oferta de habitação e serviços básicos. 

 

"Nós somos urbanos agora, mas temo que o processo seja bastante caótico e insustentável", disse a diretora executiva do UN-Habitat, Anna Tibaijuka, em uma conferência sobre o futuro das cidades, em Londres. "Depois do HIV e da Aids, a maior ameaça ao desenvolvimento sustentável na África é a urbanização rápida e caótica, porque é uma receita para o desastre que aumentará tensões e pressões." 

 

Tibaijuka disse que era necessário mais investimento para fazer com que o crescimento urbano seja mais sustentável, por exemplo, melhorar a infra-estrutura e a tecnologia. 

 

De acordo com ela, a descentralização administrativa, de um nível nacional para o municipal, também possibilitaria que os problemas urbanos fossem abordados de forma mais eficaz. Tibaijuka reconhece as medidas tomadas pelo Quênia para alterar a sua Constituição e dar mais autonomia aos municípios. 

 

O impacto das alterações climáticas tem agravado os problemas sociais e econômicos existentes, obrigando muitos agricultores mudarem-se para longe de suas aldeias e tornarem-se "refugiados ambientais" nas grandes cidades, disse Tibaijuka. Mas, ao mesmo tempo em que as cidades têm sido parte do problema das mudanças climáticas, poderiam também ser parte da solução. 

 

"Há uma oportunidade única para abrir caminho aos nossos esforços globais de controle de emissões e juntá-los aos esforços locais para melhorar a qualidade de vida e a produtividade das nossas cidades", disse ela. "Precisamos tomar medidas imediatas para tornar nossas cidades mais sustentáveis. E as melhores medidas que podemos tomar são reduzir o congestionamento do tráfego, melhorar a qualidade do ar e da água e reduzir a nossa pegada ecológica."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.