Uma nova safra de empreendedores sustentáveis

Desconfiança de mercado e falta de investimentos não inibem criatividade de empresários com ideias ‘verdes’

Andrea Vialli, O Estado de S.Paulo

04 Junho 2009 | 15h43

Crédito escasso, alta carga tributária, acesso restrito a mercados e burocracia. Não são poucos os desafios que um empreendedor enfrenta para fazer seu negócio caminhar no Brasil. E quem optou por agregar o atributo "sustentabilidade" ao seu produto ou serviço ainda tem outros percalços para transpor, como a desconfiança inicial dos investidores, os custos elevados de uma produção sem escala, o consumidor pouco sensível à causa.

 

Veja também:

linkNa prateleira, o real valor da castanha da Amazônia

linkEmpresa abre espaço para ativo da mata atlântica

linkO n.º 1 do açúcar orgânico no mundo aboliu a queima da cana

linkDo lixão ao Louvre, arte para inclusão

especialEspecial - O Papel de cada um

documento Artigo - O princípio do preservador-pagador

lista Notas - Brasil é líder em energias limpas, diz ONU

blog Opinião - Múltiplas visões sobre o meio ambiente no Brasil

 

Ainda assim, uma nova safra de empreendedores tenta frutificar. À medida que o conceito de sustentabilidade começa a ser valorizado pelo mercado, algumas dessas barreiras iniciais vão sendo rompidas.

 

André Carvalho, pesquisador do Centro de Estudos em Sustentabilidade da Fundação Getúlio Vargas (FGV-Ces), está há seis anos no comando do New Ventures, um programa que coloca, vis-à-vis, donos de negócios "verdes", geralmente empresas emergentes (ou start-ups, como se diz no jargão dos negócios) e possíveis investidores, como fundos de investimentos, empresas e "anjos" - pessoas físicas que aportam recursos em pequenos negócios com potencial promissor.

 

Não há estatísticas sobre a taxa de natalidade e mortalidade dos negócios verdes. Mas a experiência de Carvalho à frente do New Ventures indica que sobram boas ideias e falta quem invista nelas. De 2003 até hoje, os pesquisador da FGV fez contato com mais de 500 empreendedores "verdes".

 

Destes, 180 chegaram a construir planos de negócios; 49 foram apresentados a investidores e seis efetivamente receberam aportes de recursos.

 

"Os empreendedores verdes têm pela frente um cenário ainda mais difícil, pois enfrentam desconfiança por terem um produto ou serviço menos convencional", diz Carvalho."Em muitos casos, o mercado está longe de assimilar uma ideia que seja muito inovadora", avalia.

 

O Estado apresenta quatro histórias (links acima) de empreendedores que apostaram na sustentabilidade como diferencial de seu projeto no mercado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.