Um trunfo desperdiçado
Conteúdo Estadão Blue Studio

Um trunfo desperdiçado

A rápida expansão das energias renováveis colocaria o Brasil próximo do papel de liderança ambiental, mas as projeções para a próxima década são desanimadoras

Estadão Blue Studio, O Estado de S.Paulo

05 de junho de 2022 | 00h01

Para chegar à neutralidade em gases do efeito estufa (GEE) até 2050, o Brasil precisará aumentar muito a participação das fontes renováveis de energia – dos atuais 47% para 73%, de acordo com estudo do CDP, organização sem fins lucrativos que administra o maior sistema de divulgação ambiental do mundo. A perspectiva real é decepcionante, contudo.

Pela projeção do Plano Decenal de Expansão de Energia 2031, publicado pela Empresa de Pesquisa Energética (EPE), do Ministério de Minas e Energia, a participação das energias renováveis será praticamente a mesma daqui a dez anos – terá aumentado apenas de 47,1% para 47,8% da matriz energética brasileira. Isso porque o consumo deve crescer 27% no mesmo período.

“O Brasil tem um potencial imenso de soluções que poderiam ser exploradas com políticas públicas e um planejamento macro que realmente priorize a energia limpa”, diz Alessandra Mathyas, analista de conservação na área de energia do WWF-Brasil e coordenadora da Rede Energia & Comunidades, que reúne 13 organizações voltadas à causa do pleno direito à energia limpa e sustentável, com foco na região amazônica. Entre os caminhos já em estudo, estão o uso de caroços de açaí em termoelétricas, a produção de combustível de aviação a partir da macaúba e o aproveitamento da casca de arroz como biomassa. 

Independentemente das estratégias governamentais e corporativas, todos os cidadãos brasileiros têm um papel a desempenhar na questão energética. “É preciso cuidar do nosso consumo de cada dia. Não é necessário se privar dos confortos da vida. Basta não esbanjar, não desperdiçar, que muito já estará sendo feito”, lembra Alessandra, do WWF.

Conteúdo produzido pelo estadão blue studio, a área de conteúdo customizado do estadão

Tudo o que sabemos sobre:
meio ambiente

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.