Últimos quatro rinocerontes brancos são procurados na África

Caso não sejam encontrados últimos exemplares em parque africano, subespécie será declarada em extinção

Efe

17 Junho 2008 | 20h24

A União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN, na sigla em inglês) está tentando localizar os últimos quatro exemplares do rinoceronte branco do norte, uma espécie de rinoceronte africano a beira da extinção.   "É muito preocupante que nas últimas explorações sobre o terreno não se tenha encontrado nenhum rastro dos últimos quatro rinocerontes brancos que restam", disse o médico Martin Nrooks, chefe do grupo de especialistas nestes animais da IUCN, em comunicado difundido nesta terça-feira, 17.   "A menos que sejam encontrados durante as buscas intensivas planejadas pela direção da Fundação de Parques Africanos, esta subespécie está condenada à extinção", acrescentou.   Segundo dados de agosto de 2006, nesse momento restam apenas quatro rinocerontes brancos vivos, todos eles no Parque Nacional Garamba, no noroeste da República Democrática do Congo, pelo o que esta subespécie está catalogada como "em perigo crítico" de extinção.   A dramática diminuição dos exemplares desta subespécie contrasta com o aumento que experimentou a espécie geral dos rinocerontes africanos, que alcançou cifras recorde pela primeira vez em décadas.   Segundo os números da Comissão de Sobrevivência de Espécies da IUCN, atualmente há mais de 21 mil rinocerontes africanos.

Mais conteúdo sobre:
rinocerontes meio ambiente áfrica

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.