UE oferece ajuda à China para conter emissões de CO2

Bloco planeja usar a Captura e Armazenamento de Carbono para para frear as emissões também na Índia

Reuters,

19 Junho 2009 | 15h08

A Europa iniciará na próxima semana ações que visam ajudar a China e a Índia a desenvolverem tecnologia para enterrar o dióxido de carbono para combater o aquecimento global, de acordo com o esboço de uma resolução da Comissão Europeia.

 

Veja também:

link Ásia poderá emitir 40% do CO2 do planeta até 2030

linkUE quer financiamento mundial contra mudança climática

especial Entenda as negociações do novo acordo sobre mudança climática

especialEspecial: Quiz: você tem uma vida sustentável? 

especialEspecial: Evolução das emissões de carbono  

especialEspecial: As ações diárias que salvam o planeta 

especial Expansão econômica vs. sustentabilidade

 

A Captura e Armazenamento de Carbono (CCS, na sigla em inglês), um processo de enterrar gases prejudiciais, é tido por alguns como uma arma potencial para frear as emissões de gases causadores do efeito estufa que ameaçam aquecer a atmosfera a níveis perigosos.

 

A União Europeia começará um processo de consulta financeira e de tecnologia que deverá ser entregue à China e depois à Índia. Isto pode ser decisivo para garantir o comprometimento de ambos os países com um novo acordo global sobre a mudança climática que será discutido em Copenhague em dezembro.

 

"A Comissão pretende levantar recursos e desenvolver um meio de financiamento para auxiliar o projeto China-UE de Emissões de Carbono Próximas a Zero (NZEC, na sigla em inglês), e depois realizar um projeto de demonstração da CCS em economias emergentes e países desenvolvidos dependentes de combustíveis fósseis", informou o documento.

 

A proposta terá orçamento inicial de cerca de 60 milhões de euros provenientes de um fundo de desenvolvimento já existente da UE, mas também pode receber outros recursos de indústrias e contribuintes.

Mais conteúdo sobre:
aquecimento globalChinaUE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.