Tuvalu não vai aceitar acordo de 2ºC

Elevação da temperatura global nos níveis propostos na COP podem fazer ilhas do Pacífico desaparecerem

Reuters

17 Dezembro 2009 | 12h51

Os negociadores das ilhas Tuvalu, pequeno país do Pacífico que corre o risco de desaparecer com o aumento do nível do mar causado pela elevação da temperatura global, pediram nesta quinta-feira propostas mais rígidas com relação ao aumento tolerável da temperatura global, de acordo com informações da Reuters.

 

O primeiro-ministro Apisai Ielemia disse que não irá assinar qualquer acordo em Copenhague que aceite uma elevação da temperatura em 2ºC, com base em níveis pré-industrias, e justificou que isso poderia acabar com seu país. "Estamos falando da sobrevivência da nossa nação", disse, defendendo um acordo mais forte.

 

Os atuais esboços do acordo que foram divulgados mostram opções de aumento máximo do aquecimento em 2ºC, 1,5ºC e 1ºC, mas os países industrializados defendem o limite de 2ºC. Ielemia não concorda e disse que qualquer acordo que possa sair das negociações em Copenhague deve limitar o aumento da temperatura em um máximo de 1,5ºC, de acordo com os cientistas a média que poderia evitar os efeitos perigosos das mudanças climáticas.

 

Os 12 mil habitantes de Tuvalu vivem numa cadeia de nove atóis de corais no sul do Oceano Pacífico, na metade do caminho entre o Havaí e a Austrália. Os pontos mais altos das ilhas medem 4 metros acima do nível do mar e as marés altas já estão corroendo algumas regiões do país, segundo o governo local.

 

Cientistas do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas da ONU (IPCC) dizem que, com o aumento da temperatura global, a elevação do nível dos oceanos possa ser de mais de um metro até 2100. "É agora ou nunca", afirmou Ielemia, chamando os quase 120 líderes de Estado que estão chegando a Copenhague para se unirem e aprovarem um acordo legalmente vinculante para reduzir drasticamente as emissões mundiais de gases de efeito estufa. De acordo com ele, esperar até o ano que vem para fazer isso pode ser muito arriscado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.