Tubarão branco será dissecado em público na Nova Zelândia

Autópsia do animal de três metros e 300 quilos será transmitida pela internet

Giovana Vitola, BBC

07 Janeiro 2009 | 09h30

Cientistas da Nova Zelândia estão preparando uma dissecação de um grande tubarão branco de três metros que será vista por mil pessoas.   Veja também:  Site do Museu de Auckland A operação examinará partes do estômago do predador de 300 quilos, além de medir e investigar órgãos internos e remover as mandíbulas. Segundo o site do Museu de Auckland, onde o evento acontecerá, a autópsia animal servirá para aumentar a consciência sobre a espécie marinha, ameaçada de extinção. "Essa é também uma oportunidade rara para as pessoas ficarem perto de um tubarão dessa espécie e ver como fazemos nossas pesquisas", disse Tom Trnski, um dos cientistas que executará a necropsia. Ilegal A operação, que durará por volta de duas horas e será realizada nesta quinta-feira, 8, em um anfiteatro do Museu de Auckland, será conduzida em frente à cerca de mil visitantes, que terão entrada gratuita. A dissecação também será transmitida pela internet. O tubarão em questão ficou preso em uma rede de pesca por engano e não sobreviveu ao ser devolvido ao mar. Na Nova Zelândia, o animal é protegido pela lei, mas matá-lo sem intenção não é ilegal, desde que as autoridades de conservação marinhas sejam avisadas. Grandes tubarões brancos são encontrados na Nova Zelândia e na Austrália. Mesmo sendo protegidos, autoridades podem eventualmente sacrificar os animais se estes apresentarem perigo à vida humana. O evento vem após vários tubarões terem sido vistos recentemente em praias australianas. No estado da Austrália Ocidental um mergulhador desapareceu após um tubarão branco ter sido visto nadando nas proximidades onde ele estava. Nesta semana, em Sydney, quatro praias foram evacuadas devido a dois tubarões-martelo estarem nadando próximo aos banhistas.   BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.