Tigre macho 'adota' filhotes órfãos e surpreende especialistas

Exemplo raro contraria instinto natural dos tigres de atacar os filhotes sem a proteção da mãe

Geeta Pandey, BBC

01 Junho 2011 | 06h06

Um tigre macho que parece estar cuidando de dois filhotes órfãos surpreendeu as autoridades ambientais no norte da Índia.

Em uma demonstração inusitada de amor paterno, os especialistas acreditam o tigre T25 esteja tomando conta dos seus filhotes que perderam a mãe em fevereiro.

O natural, para a espécie, é que um tigre ataque um filhote quando o encontre. Entretanto, os especialistas disseram não ter encontrado evidências deste tipo de comportamento.

Pelo contrário, o macho foi fotografado caminhando apenas cerca de um metro atrás dos órfãos.

Os filhotes têm cerca de oito meses de idade e são muito jovens para caçar por conta própria. Desde a morte da mãe, a tigresa T5, em 9 de fevereiro, eles vêm sendo alimentados pelos funcionários do parque.

Na última segunda-feira, 30, o diretor de campo da reserva, Rajesh Gupta, disse tê-los avistado se alimentando de uma presa em companhia de T25.

"Eles tinham um aspecto saudável. Parece que o tigre macho está deixando os filhotes se alimentarem da presa, e não pegando todo o alimento para si", disse Gupta.

Raridade

Especialistas em vida selvagem dizem que esse tipo de relacionamento entre o macho e os filhotes é extremamente raro.

Normalmente, os tigres deixam totalmente para a mãe a responsabilidade de cuidar das crias - que, na ausência da tigresa, muitas vezes são simplesmente vistas como alimento pelo tigre dominante.

"Normalmente a tigresa mantém um olho nos filhotes, enquanto o pai é um visitante que vem e vai embora, especialmente quando aparece para cruzar com a fêmea", disse à BBC o chefe da guarda florestal do Rajastão, U.M. Sahai.

O parque de Ranthambore, a mais conhecida reserva natural da Índia, tem cerca de 40 tigres, incluindo uma dezenas de filhotes.

De acordo com o último censo divulgado em março, o país tem pouco mais de 1,7 mil destes felinos - uma redução drástica em relação aos cerca de 100 mil estimados no início do século passado.

Especialistas afirmam que 97% dos indivíduos da espécie foram dizimadas pela caça ilegal e a redução dos hábitats naturais. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.