Texto sobre acordo climático ainda não é o ideal, afirma UE

Dirigente do bloco europeu teme que discussão seja desviada da cúpula da ONU no próximo mês

Reuters,

12 Novembro 2009 | 14h43

O esboço do texto sobre o acordo climático ainda não é o ideal para ser aprovado, disse Karl Falkenberg, presidente do Departamento Ambiental da Comissão Europeia, nesta quinta-feira, 12, em entrevista à Reuters. "A última versão do texto na qual trabalhamos ainda não nos ofereceu segurança para dizer que pode ser aprovado em Copenhague", disse Falkenberg. "Estamos a três semanas para o início da cúpula em Copenhague e ainda temos muito trabalho pela frente."

 

Veja também:

linkUnião Europeia diz que está dentro das metas de Kyoto 

linkRecessão provoca queda nas emissões de gases-estufa do Japão 

linkAgricultura emite mais de 50% de gases de efeito estufa no País  

 

Os líderes mundiais se reunirão na Suíça de 7 a 18 de Dezembro na Conferência do Clima da Organização das Nações Unidas (ONU) na qual buscarão acordar a sucessão do Protocolo de Kyoto, que vai expirar em 2012. Mas a esperança de alcançarem um acordo é pequena porque delegados da ONU já afirmaram que precisariam de mais um ano para discutir sobre o tema.

 

Três dos maiores problemas para os líderes mundiais são o pacto de redução de emissão de CO2, a utilização de tecnologia para os países dependerem menos de combustíveis não renováveis, e o pacote de financiamento para ajudar os países a minimizar os efeitos da mudança climática.

 

Cada vez mais os delegados da UE se mostram preocupados com o fato de que o acordo climático não será selado no debate em Copenhague, mas, sim, através de discussões políticas externas. "Eu não estou certo se devemos focar tanto nos termos 'políticos' ou 'legais'", disse Falkenberg. "Temos questões para serem acordadas pelos líderes mundiais. Possivelmente precisaremos de tempo para transformar isso na forma adequada, mas a essência é fundamental que seja debatida."

 

Para o representante da UE , o envolvimento dos Estados Unidos no debate é vital para alcançar um acordo que satisfaça todos os líderes. "Esperamos que o governo dos EUA estabeleça compromissos (de 2020 a 2050) e faça deles atos legislativos dentro de seu próprio território", afirmou Falkenberg

 

O projeto de lei sobre o clima dos EUA superou um importante obstáculo no Senado do país na última semana. Se for aprovada, a lei exigirá que as empresas norte-americanas reduzam a emissão de dióxido de carbono e outros gases de efeito estufa em 20% em 2020, atingindo o mesmo nível de 2005.

Mais conteúdo sobre:
acordo clima ONU

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.