Texas apressa ajuda pós-Ike; há risco de crise sanitária

Autoridades do Texas alertaram na segunda-feira para uma crise sanitária e pediram que milhares de pessoas deixem a cidade de Galveston, onde faltam mantimentos depois da passagem do furacão Ike. Em Houston, quarta maior cidade dos Estados Unidos, falta eletricidade para milhões de residências e empresas. Cerca de 2.000 pessoas ilhadas em comunidades litorâneas foram retiradas de helicóptero e barco, na maior operação de resgate da história do Texas. Galveston, que tinha 60 mil habitantes, foi dizimada na manhã de sábado. Cerca de 15 a 20 mil pessoas permanecem por lá, em condições que pioram rapidamente. "Não há nada a fazer aqui. Por favor, vão embora", apelou a prefeita Lyda Ann Thomas aos moradores que permanecem na ilha onde se assenta Galveston. Ela convocou um navio de cruzeiro para abrigar as equipes de resgate, e a prefeitura está providenciando um caminhão frigorífico para usar como necrotério. "Não conseguimos acomodar as pessoas que estão adoecendo", disse Steven LeBlanc, chefe da defesa civil local. "Há potencial para uma crise sanitária", alertou. Mais de 4 milhões de pessoas, várias refinarias de petróleo e muitas empresas em Houston e arredores ficaram sem energia. Órgãos públicos vão distribuir gelo, água e refeições prontas em carretas puxadas por tratores. O presidente George W. Bush deve vistoriar as áreas afetadas na terça-feira. Ele ainda tenta recuperar sua imagem da péssima impressão deixada pelos trabalhos de resgate depois do furacão Katrina, que devastou Nova Orleans em 2005. Logo após a passagem do Ike, o prefeito de Houston, Bill White, insinuou que as autoridades federais estavam retardando a ajuda. O governador do Texas, Rick Perry, disse que Washington deve ter pelo seu Estado a mesma consideração que teve pela Louisiana na época do Katrina -- quando o Texas recebeu 200 mil refugiados. "Pedi ao presidente e ao governo que nos tratem de forma tão justa quanto trataram a Louisiana. Os texanos cuidarão do resto", disse ele. A Fema (Agência Federal de Gerenciamento do Emergências) deve distribuir 7,5 milhões de refeições nos próximos dias, junto com 19,8 milhões de litros de água, 8,7 milhões de toneladas de gelo e 80 mil lonas. Mas os moradores do Texas e da Louisiana, Estado novamente afetado por tempestades neste ano, devem se preparar para tempos difíceis. "Algumas pessoas ficarão fora de suas casas não só durante semanas, mas meses", disse David Paulison, administrador da Fema. (Reportagem adicional de Chris Baltimore, Erwin Seba, Eileen O'Grady, Anna Driver and Bruce Nichols, em Houston, e Randall Mikkelsen, em Washington)

TIM GAYNOR, REUTERS

15 Setembro 2008 | 22h44

Mais conteúdo sobre:
CLIMA TEXAS IKE

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.