Termina reunião com Lula sobre desmatamento na Amazônia

Ministra do meio Ambiente diz que houve na Amazônia, em novembro e dezembro, 'desmatamento nunca visto'

Leonencio Nossa, de O Estado de S.Paulo

24 de janeiro de 2008 | 15h25

A reunião do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no Palácio do Planalto, para discutir a aceleração do desmatamento na Amazônia terminou nesta quinta-feira, 24, por volta das 15 horas. Os ministros da Justiça, Tarso Genro e do Meio Ambiente, Marina Silva, e o diretor da Polícia Federal, Luiz Fernando Corrêa dão entrevista neste momento sobre o resultado da reunião.   Veja Também:   Taxa mensal de desmatamento na Amazônia disparou em 2007 Lula convoca reunião de emergência sobre Amazônia Acompanhe a evolução do desmatamento  Ainda há tempo para salvar a Amazônia?   O governo anunciou uma série de medidas para combater a ação, como aumentar o controle agropecuário e monitoramento imediato das áreas em situações mais críticas, segundo a GloboNews.     A ministra do meio Ambiente, Marina Silva, disse que houve na Amazônia, em novembro e dezembro, um "desmatamento nunca visto". Ela informou que comunicou o fato ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva, na reunião ministerial desta quarta, e que ele convocou para amanhã uma reunião de emergência para discutir o assunto.      Segundo os dados levantados por satélite nos últimos meses, se nada for feito para conter a devastação, o desmatamento, no período 2007-2008, poderá chegar a 15.000 km2, cerca de 30% a mais que o registrado entre 2006-2007.   Esta seria a primeira  alta do índice desde 2004, quando houve aumento de 8% na área desmatada, e representará uma superfície de mata perdida praticamente igual à de 2006.   A tendência de alta já havia sido detectada em meados do ano passado, quando foi registrada uma aceleração da devastação entre os meses de julho e setembro, na comparação com o mesmo período de 2006.    

Tudo o que sabemos sobre:
DesmatamentoAmazônia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.