Tequila provoca problemas sociais e ambientais no México

O ciclo de excedentes e escassez do agave-azul pela grande demanda provocou degradação ambiental

Efe,

15 Janeiro 2009 | 15h32

A popularidade da tequila provocou problemas sociais e ambientais nas regiões mexicanas onde a bebida é produzida, segundo um estudo da Universidade Estadual da Carolina do Norte.   O Conselho Regulador da Tequila (CRT), com sede em Guadalajara, no México, define a tequila como uma aguardente destilada de mosto fermentado obtida com a seiva de uma planta conhecida como agave-azul.   De acordo com as leis mexicanas, a bebida só pode ser produzida em uma região que abrange Jalisco e outros quatro estados mexicanos considerados "áreas geográficas de origem".   Como estas áreas estão protegidas por leis e acordos internacionais, não é permitido semear ou reproduzir o agave em outras partes, apesar de demorar seis anos para a planta se desenvolver e poder ser utilizada para produzir a tequila.   O estudo universitário, divulgado esta semana, explicou que os lugares geográficos não "podem continuar sendo sustentados por diversos fatores sociais e ecológicos", gerados em parte pelo "boom" que a indústria teve nos últimos 15 anos.   A tequila se expandiu consideravelmente desde 1990, e, entre 1995 e 2005, conseguiu dobrar a produção da bebida.   Em 2007, o mercado total da tequila produziu 284,4 bilhões de litros, 17% a mais que em 2006, segundo dados do CRT.   Do total produzido em 2007, cerca de 135 milhões de litros foram exportados - 75% - aos Estados Unidos, e aproximadamente 149 milhões de litros foram para consumo interno no México, segundo Sarah Bowen, uma das autoras do estudo.   "O persistente ciclo de excedentes e escassez do agave pela grande demanda provocou insegurança econômica entre os produtores e degradação ambiental", explicou à Agência Efe Bowen, do Departamento de Sociologia e Antropologia da UNCS.   Bowen e seu colega, Ana Valenzuela Zapata, da Universidade de Guadalajara, estudaram uma das comunidades mais populares de produção de tequila, Amatitán, a segunda cidade de importância do estado de Jalisco, México.   Os problemas da provisão e do excesso da demanda fizeram com que as empresas plantem seus próprios agaves de forma desproporcional em terras que nunca foram destinadas para o cultivo, de acordo com a pesquisa.   A "substituição das práticas tradicionais" das fazendas "está marginalizando os produtores independentes e trabalhadores", ressaltou Bowen.   A pesquisadora acrescentou que as normas que definem a produção da tequila, como a de podar os agaves para controlar as pragas de insetos, também estão sendo modificadas pelo aumento do uso de pesticidas e outros químicos.   "Se a indústria deseja ter um impacto positivo, por exemplo, no vale de Amatitán no produtor e na terra, é necessário assegurar práticas de produção sustentáveis no marco legal estabelecido", acrescentou Bowen.   Para a investigadora, a indústria representada pelas grandes companhias que fazem tequila não considerou os pontos de vista das pequenas fazendas de agave e excluíram outras produtoras menores.   Segundo o CRT, desde 1994 foram criadas 133 empresas produtoras de tequila e o número de marcas alcançou o número recorde de 774.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.