Temporada de furacões de 2008 bate vários recordes

Entre eles, maior número de furacões consecutivos e maior número de tempestades atingindo um mesmo local

27 Novembro 2008 | 17h07

A temporada de furacões de 2008 no Oceano Atlântico, que se encerrou oficialmente no último domingo, atingiu níveis olímpicos, registrando pelo menos cinco recordes nos Estados Unidos e em Cuba.   Raúl Castro diz que furacões causaram prejuízos de US$10 bi   "Foi bem impiedosa, numa série de grandes ataques", disse a cientista atmosférica Judith Curry, da Georgia Tech. "Não tivemos um grande monstro matador de gente, mas tivemos muitos danos". O total de mortes e  prejuízos ainda está sendo calculado.   Três recordes evidenciam o caráter impiedoso da temporada. Seis tempestades consecutivas que foram fortes o bastante para merecer nome - Dolly, Edouard, Fay, Gustav, Hanna e Ike - atingiram os Estados Unidos, algo nunca visto na história. também foi a primeira vez em que grandes furacões, com ventos de mais de 178 km/h, formaram-se em cinco meses consecutivos, de julho a novembro. E Bertha manteve-se ativo por 17 dias, tornando-se o mais longevo furacão já registrado num mês de julho.   Dois recordes tratam de locais atingidos repetidamente. A tempestade Ray é a única registrada a atingir um mesmo Estado americano - a Flórida - quatro vezes, deixando graves enchentes. E um número recorde de furacões, três, atingiu Cuba: Gustav, Ike e Paloma.

Mais conteúdo sobre:
furacão clima atlântico

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.