Temporada 2010 de furacões deve ser mais intensa que o previsto

A temporada de furacões no Atlântico em 2010 será mais ativa do que o previsto, disseram nesta quarta-feira meteorologistas norte-americanos. Eles preveem a ocorrência de 10 furacões, cinco deles grandes, com uma probabilidade de 76 por cento de que os grandes furacões atinjam a costa dos Estados Unidos.

PASCAL FLETCHER, REUTERS

02 Junho 2010 | 16h04

A previsão da equipe da Universidade do Estado do Colorado (CSU) segue-se às predições dos cientistas do governo dos EUA de uma temporada intensa que pode atrapalhar os esforços para conter o vazamento gigante de petróleo no Golfo do México e ainda atingir o Haiti, já devastado por um terremoto.

Aumentando a previsão anterior de uma temporada "muito ativa", a equipe de pesquisa da CSU sobre tempestades disse que a temporada de seis meses com início em 1o de junho provavelmente registraria 18 tempestades tropicais.

Dessas, segundo a CSU, 10 vão se tornar furacões, com cinco deles atingindo a categoria 3, a de furacões com ventos acima de 177 quilômetros por hora.

Os cientistas da CSU alteraram uma previsão divulgada em 7 de abril, que estimava a ocorrência de 15 tempestades, oito furacões e quatro grandes furacões.

"A probabilidade de um grande furacão atingir o continente ao longo da costa dos EUA é de 76 por cento, em comparação com a média do século passado de 52 por cento", disse o meteorologista Phil Klotzbach.

A equipe da CSU vê 51 por cento de chance de um grande furacão atingir o continente na Costa Leste dos EUA, incluindo aí a península da Flórida, e 51 por cento de risco de que um atinja a costa do Golfo.

O risco de um grande furacão atingir o Caribe é de 65 por cento, segundo o grupo.

Os especialistas advertem que uma onda de tempestade no Golfo do México -- um aumento anormal no nível do mar provocado por um furacão -- poderia dissipar o petróleo e as substâncias químicas usadas na tentativa de dispersar o óleo do Golfo.

Mais conteúdo sobre:
CLIMAFURACOES*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.