Tempestade tropical Emily se dirige ao vulnerável Haiti

A tempestade tropical Emily se encaminha na quarta-feira na direção do Haiti, onde pode agravar o trauma do país mais pobre das Américas, devastado por um terremoto no ano passado.

JOSE, REUTERS

03 Agosto 2011 | 19h46

Segundo o boletim das 18h (hora de Brasília) do Centro Nacional de Furacões (CNF) dos EUA, a tempestade está cerca de 95 quilômetros a sudeste da ilha Beata, que fica na República Dominicana, perto da sua fronteira com o Haiti.

Ela já causa chuvas no Haiti, e tem ventos regulares de até 85 quilômetros. Seu núcleo deve passar pelo território haitiano na manhã de quinta-feira, para então atingir o extremo leste de Cuba na noite do mesmo dia.

Cerca de 600 mil haitianos ainda vivem em acampamentos improvisados por causa do terremoto de janeiro de 2010 que matou mais de 300 mil pessoas e devastou a capital, Porto Príncipe.

"Quando há uma chuva comum não podemos ficar aqui, porque a água escorre entre as barracas e ninguém consegue dormir", disse a refugiada Wideline Azemar, de 42 anos, mãe de quatro filhos, que mora sob uma lona num acampamento da capital.

"Agora estão falando numa tempestade com muito vento e chuva. Realmente não sei o que fazer ... Só Deus sabe o que será de nós."

O CNF disse que a tempestade Emily pode despejar até 500 milímetros de chuva sobre partes da ilha Hispaniola, compartilhada entre Haiti e República Dominicana.

Por ser montanhoso e ter sido muito desmatado ao longo dos séculos, o Haiti é especialmente propenso a deslizamentos de terra, segundo especialistas.

A tempestade, a quinta a receber um nome na atual temporada de furacões no Atlântico, chega ao Haiti num momento de crise política, pois na quarta-feira o Parlamento rejeitou pela segunda vez uma indicação do presidente Michel Martelly ao cargo de primeiro-ministro.

Seus partidários alegam que a nomeação do gabinete seria crucial para que o país se preparasse para furacões e outros desastres. O Haiti também enfrenta uma epidemia de cólera que já matou 6.000 pessoas desde outubro, e que pode se agravar com a passagem da tempestade, já que a doença é transmitida por água contaminada.

O CNF disse que a tempestade Emily pode também chegar na noite de sexta-feira ou manhã de sábado à costa sul dos EUA, mas não há certeza sobre a ameaça que ela pode causar caso não se desvie para o norte.

Os meteorologistas preveem que o sistema se tornará um furacão de categoria 1 na segunda-feira, quando deve começar a se deslocar para o meio do Atlântico.

Mais conteúdo sobre:
CLIMAEMILYHAITI*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.