Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Tempestade tropical castiga República Dominicana e mata 12

Pelo menos 12 pessoas morreram emuitas outras desapareceram nesta segunda-feira na RepúblicaDominicana, devido à passagem da tempestade tropical Noel, quecausou chuvas torrenciais na ilha de Hispaniola. A Comissão Dominicana de Emergência Nacional declaroualerta vermelho em seis províncias e na capital, Santo Domingo,por causa da chuva. A 14a tempestade da temporada de furacõesde 2007 no Atlântico despejou entre 25 e 51 centímetros no paíse em seu vizinho, o Haiti. Em algumas áreas, a precipitação podia chegar a 76centímetros, disse o Centro Nacional de Furacões dos EstadosUnidos. Em Bonao, 90 quilômetros ao norte de Santo Domingo, pelomenos cinco pessoas morreram na enchente, segundo autoridadeslocais. Cinco outras mortes foram registradas em San José deOcoa, a 135 quilômetros da capital, e a rádio local afirmou quehouve duas mortes no distrito de Santo Domingo. Os pousos e as aterrissagens no aeroporto internacional deSanto Domingo foram cancelados. A tempestade estava passando sobre o Haiti, e segundo ocentro de furacões dos EUA o sistema deve passar perto doextremo leste de Cuba, para depois atravessar as Bahamas eseguir para o Atlântico. A previsão é que a tempestade não passe pela Flórida nempelas instalações de gás e petróleo no golfo do México. Embora o sistema tenha passado pela capital haitiana, PortoPríncipe, os piores efeitos parecem ter sido sentidos naRepública Dominicana. O Haiti, o país mais pobre do continente americano, éespecialmente sujeito a enchentes porque 90 por cento de suasflorestas foram derrubados, principalmente para produzircarvão. A República Dominicana possui mais vegetação. Em 2004, a tempestade tropical Jeanne matou 3.000 pessoasna cidade portuária de Gonaives, no Haiti. Na primavera domesmo ano, enchentes no sul do país mataram mais 2.000. A temporada de furacões do Atlântico dura seis meses e vaiaté o fim de novembro. Embora o número de sistemas --14-- desteano esteja acima do normal, não chega aos pés de 2005, quandoforam registradas 28 tempestades, e furacões enormes, como oKatrina, castigaram os Estados Unidos.

GERMAN MARTE, REUTERS

29 de outubro de 2007 | 15h38

Tudo o que sabemos sobre:
CLIMANOELHISPANIOLA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.