Tempestade Noel faz mais mortes no Caribe

A tempestade tropical Noel ganhou forçana quarta-feira, quando começou a rumar para Flórida e Bahamas,após provocar fortes chuvas em Cuba e matar ao menos 61 pessoasdevido a inundações e deslizamentos na República Dominicana eno Haiti. A situação é mais grave na República Dominicana, onde há 41mortes confirmadas, 33 desaparecidos, pelo menos 25.540desabrigados e 6.300 casas destruídas, segundo Luis LunaPaulino, chefe do centro de operações de emergências do país. Ele pediu a donos de barcos que ofereçam serviços eequipamentos às equipes de resgate que buscam pessoas isoladasem aldeias. O número de mortos ainda deve crescer, disseramautoridades. Várias pontes desabaram, quedas de barreirasbloqueiam estradas e pelo menos 39 comunidades estão isoladas,de acordo com Luna Paulino. Emigdio Sosa, diretor da agência de assistência social dapresidência dominicana, disse que até agora 145 mil famíliasreceberam alimentos, cobertores, colchões e mosquiteiros. Ogoverno também pretende distribuir zinco e madeira para uso nareconstrução das casas. "Projetamos que vamos ajudar a mais de 300 mil famílias",declarou Sosa em nota. No vizinho Haiti, o país caribenho mais vulnerável ainundações e deslizamentos, por causa do desmatamento em suasencostas, cerca de 20 pessoas morreram, inclusive um menino dedez anos arrastado pelas águas. Cerca de 3.400 pessoas estão emabrigos de emergência, e cerca de 400 casas foram destruídas. Em Cuba, milhares de pessoas foram retiradas de áreasvulneráveis, mas não há registro de vítimas. O país tem omelhor serviço de defesa civil da região. Baracoa (extremo leste de Cuba) teve 150 milímetros dechuva em apenas seis horas, o que provocou inundações e isoloua cidade. Um funcionário de hotel em Cayo Coco, destinoturístico na costa norte da ilha, afirmou que havia muita chuvae fortes rajadas de vento. A tempestade, a 14a da temporada, não deve se transformarem furacão, segundo o Centro Nacional de Furacões dos EUA. Osmeteorologistas prevêem uma guinada para nordeste naquinta-feira sobre as Bahamas, desviando a tempestade daFlórida e do golfo do México, onde há produção de petróleo. (Reportagem adicional de Joseph Guyler Delva em PortoPríncipe e German Marte em Santo Domingo)

ANTHONY BOADLE, REUTERS

31 de outubro de 2007 | 18h06

Tudo o que sabemos sobre:
CLIMANOELCARIBE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.