Tempestade não impedirá expedição russa no lago Baical

A expedição, que será feita com os batiscafos Mir-1 e Mir-2, é a primeira da história ao fundo desse lago

Efe

28 Julho 2008 | 21h09

Uma iminente tempestade não impedirá a missão russa ao fundo do lago mais profundo do mundo, o Baical, situado na Sibéria. A expedição, que será feita com uso dos batiscafos (espécie de submarino) Mir-1 e Mir-2, é a primeira da história ao fundo desse lago. O chefe da expedição e deputado da Duma (Parlamento russo), Artur Chilingarov, afirmou hoje que "tudo está preparado" para a imersão até o leito do Baical, a 1.700 metros de profundidade, informaram as agências locais. O Mir-1 e o Mir-2, que no ano passado chegaram ao fundo do Oceano Glacial Ártico, bem embaixo do Pólo Norte, colocarão no leito do Baical uma pirâmide de aço inoxidável com o escudo da Rússia e da república siberiana da Buriátia. Antes da imersão, os técnicos tiveram que retirar ou substituir alguns equipamentos para diminuir em 250 quilogramas o peso dos batiscafos, de mais de 18 toneladas, e instalar blocos adicionais de navegação, pois a água doce é menos densa que a do mar. A expedição, que se prolongará durante 2009, servirá, entre outras coisas, para determinar com exatidão a profundidade do lago, detectar possíveis fontes subterrâneas de processos termais, registrar dados tectônicos e examinar restos arqueológicos. Além disso, verificará a hipótese de existência de formas de vida sem oxigênio e estudará a flora e a fauna. A expedição e seus resultados serão exibidos em um documentário que terá como meta mostrar a importância de cuidar da natureza.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.