Reuters
Reuters

Tecnologia militar ajuda cientistas a ouvirem baleias azuis

A baleia azul foi quase extinta pela caça predatória na década de 1990

Pauline Askin, Reuters

05 Outubro 2012 | 09h57

SYDNEY - Cientistas australianos estão usando tecnologias militares de localização de submarinos para encontrar raras baleias azuis pelo canto a centenas de quilômetros de distância.

Com sons de baixa frequência, os mamíferos podem se comunicar através de bacias oceânicas inteiras. Até agora, o monitoramento das baleias era feito apenas visualmente, mas a partir deste ano os cientistas da Divisão Antártica Australiana passaram a usar também boias sonoras direcionais - equipamentos geralmente empregados por militares para localizar e espionar submarinos.

A baleia azul, maior animal do oceano Antártico, foi quase extinta pela caça predatória na década de 1990, e o governo australiano diz que o monitoramento pode contribuir com a sua preservação.

Ao longo de 20 dias neste ano, os cientistas registraram com a nova tecnologia a presença de 103 baleias azuis, um número recorde, numa área de mais de 10 mil quilômetros.

Mais conteúdo sobre:
animais, baleia azul

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.