Tabelinha nutricionalzinha

Há algo de apaziguador naqueles números; é como se me colocassem no poder da minha alimentação

Leandro Quintanilha,

27 Julho 2011 | 00h15

Eu nunca gostei da tabela periódica. As planilhas do Excel, prefiro admirar à distância. Mas sempre nutri um certo encantamento pelas tabelas nutricionais. Porque há algo de apaziguador naqueles números. É como se me colocassem no poder da minha alimentação.

É como se cada ingrediente, cada componente químico, tivesse uma razão para existir: fazer de mim um consumidor mais saudável. Mas é claro que as calorias (apelidadas de "energia", que lindo), a gordura trans e o sódio estão ali também, para me advertir sobre a periculosidade da lasanha congelada.

Mas é que o meu cérebro tem um jeito próprio de interpretar tabelas nutricionais. É como se as fibras, as vitaminas e os minerais me redimissem de todo o resto. Se é sorvete, há de ter cálcio e proteínas. E massa ainda é massa se tiver 16% de fibras?

Por isso, você pode imaginar o quanto eu fiquei extasiado ao me deparar com a nova Coca Light. Ela, em sua nova lata prateada, esguia, com minerais e vitaminas do complexo B, a Coca Light Plus.

Mas como tudo na vida tem seu lado ruim (em geral, sódio), não houve autoengano o suficiente para que eu acreditasse – por muito tempo – nos efeitos compensatórios desse elixir gasoso contemporâneo. Por causa do sal, do aspartame (hoje mais condenado que radioatividade), dos corantes e aromatizantes que deixam quase tudo o que é industrializado deliciosamente traiçoeiro.

Não bastasse o meu desapontamento com o refrigerante vitaminado sem calorias, sofri um outro baque enquanto admirava a extensa tabela nutricional de um outro ícone da minha alimentação, o Ovomaltine.

A embalagem laranja/reluzente sempre me pareceu um convite para uma vida melhor. Uma vida com oito minerais e dez vitaminas. Uma vida de pele hidratada. Uma vida com 39% das necessidades diárias de ácido pantotênico, que eu nem sei para o que serve. Uma vida em que eu fosse mais alto, mais magro. Uma vida em Paris.

Até que eu me perguntei: "Poxa, 39% das minhas necessidades diárias de ácido pantotênico soam incríveis, mas onde é que eu vou arranjar os outros 61%?" Devo tomar três copos por dia? Se pulo a quarta-feira, tomo seis na quinta? Só me acalmo diante do lançamento do Toddynho Light, com 50% menos calorias, sem prejuízo de vitaminas e ácido fólico. Como diz um amigo, é o diminutivo do diminutivo. Mal posso esperar para ler sua tabelinha nutricionalzinha. Mas, bem, talvez seja melhor eu não atentar para as porcentagens.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.