Sul-africana quer passar semana em jaula com leões brancos

Objetivo de Jenny Schmidt é chamar a atenção para as ameaças enfrentadas pela espécie.

BBC Brasil, BBC

30 Março 2010 | 13h27

Uma mulher sul-africana decidiu passar uma semana dentro de uma jaula com leões brancos em um parque na província de Limpopo, ao norte da África do Sul, para chamar a atenção para as ameaças enfrentadas pela espécie.

Jenny Schmidt entrou na jaula dos leões no parque Mystic Monkeys and Feathers Wild na última sexta-feira e pretende permanecer no local até a próxima sexta-feira.

Armada apenas com um rádio e um celular, ela passa o dia todo com os animais - o macho Zuba, de 2 anos, e a fêmea Cobra, de sete meses - exceto nos poucos momentos em que deixa a jaula para ir ao banheiro e tomar banho.

Ela também dorme dentro da jaula, mas em um espaço protegido, sem acesso aos leões. Durante o dia, ela também é acompanhada por alguém do lado de fora, por precaução.

Arranhão

Apesar de um pequeno incidente no início da semana - um arranhão de Zuba em sua mão durante uma brincadeira - Schmidt diz não ter medo da experiência.

"Não estou pensando em bater nenhum recorde. Se houver necessidade, posso sair da jaula a qualquer momento", disse ela por telefone à BBC Brasil, de dentro da jaula.

Schmidt, que trabalha em um parque de vida selvagem da região e já cuidou de tigres e leões, diz que é preciso estar atenta ao lado dos animais, mas diz que o que eles querem mais é "brincar e receber carinho".

"Meu objetivo com isso é mostrar a ameaça aos leões brancos. Há somente cerca de 500 deles no mundo, e quase nenhum mais em áreas selvagens, por causa da caça", explicou ela à BBC Brasil.

Ela diz ter ficado espantada ao saber que a caça aos leões brancos ainda é legal na África do Sul.

Segundo ela, a questão é ainda mais preocupante para os nativos da etnia Shangaan, que habitam a região de Limpopo e o sul de Moçambique e acreditam que os leões brancos são presentes de Deus.

"Se os leões brancos não forem salvos, isso para os Shangaan representaria o fim do mundo", explica Schmidt.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.