Solução final de vazamento deve ocorrer em agosto, diz BP

Equipe que perfura primeiro de dois poços faz testes para confirmar se está no caminho certo

AP

25 Junho 2010 | 16h42

NEW ORLEANS - Testes mostram que a petrolífera British Petroleum deve completar em meados de agosto a perfuração de um poço no Golfo do México, a maior esperança até agora para deter o óleo que vaza desde 20 de abril, segundo informou a empresa nesta sexta-feira, 25.

 

A equipe que executa a perfuração do primeiro de dois poços fez testes esta semana para confirmar se está no caminho correto, disse o porta-voz Bill Salvin. "Nós estamos onde pensávamos que estaríamos", disse.

 

Diversos testes são necessários para determinar a localização do poço de alívio em relação ao que explodiu em abril, quando a plataforma Deepwater Horizon explodiu. Quando o novo poço encontrar o que vaza, a BP pretende bombear lama pesada para interromper o fluxo de óleo e tampá-lo com cimento.

 

Salvin disse que o poço de alívio deve ser feito em meados de agosto, mas que não devem ajudar o preço das ações da companhia, que despencou após o anúncio da empresa de que o prejuízo total do vazamento aumentou para US$ 2,35 bilhões.

 

Ações da BP caíram quase 4% em Nova York nesta sexta-feira. Se o declínio se mantiver, a empresa terá perdido mais de US$ 100 bilhões na bolsa de valores desde a explosão da plataforma de petróleo. As ações da BP fecharam a US$ 60,48 em 20 de abril, dia do acidente. Nesta sexta, caíram para US$ 27,07 e chegaram a US$ 27,69 por volta do meio-dia.

 

Furacão

 

Uma área de baixa pressão no Caribe ameaça se transformar no primeiro furacão da temporada no Atlântico. A BP precisaria de cinco dias para remover todo o equipamento para longe da área de ação da tempestade, segundo o administrador da Guarda Costeira americana, Thad Allen.

 

Os equipamentos incluem navios-tanque que trabalham no processo de bombeamento de óleo do poço para a superfície.

Mais conteúdo sobre:
vazamento petróleo BP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.