Reuters
Reuters

Slash, ex-Guns n' Roses, diz no Twitter que incêndio no Butantã foi 'trágico'

Guitarrista norte-americano postou comentário no site no mesmo dia do acidente em São Paulo

estadao.com.br

18 Maio 2010 | 10h17

SÃO PAULO - O guitarrista norte-americano Slash, líder da banda Velvet Revolver e ex-Guns n' Roses, disse no Twitter que o incêndio que destruiu o acervo de cobras e aracnídeos do Instituto Butantã no último sábado, 15, foi "muito trágico".

 

Veja também:

linkIncêndio no Butantã põe museus de zoologia em alerta

linkPolícia e Ministério Público investigam causas do incêndio

linkIncêndio destrói acervo de cobras do Butantã

 

"Muito trágica a notícia sobre o Instituto Butantã em São Paulo, Brasil, 85.000 cobras mortas", escreveu a estrela do rock no Twitter, que também comentou a morte da lenda do heavy metal Dio, ocorrida no último domingo.

 

O incêndio no Instituto Butantã destruiu a maior coleção científica de cobras do mundo, iniciada há 120 anos. Cerca de 85 mil exemplares eram guardados no prédio. O acervo de aracnídeos, com 450 mil aranhas e escorpiões, também se perdeu.As chamas teriam sido provocadas pelo contato das cinzas com o que restou de álcool e formol, onde os animais mortos eram conservados.

 

Ao lado do vocalista Axl Rose, Slash liderou a banda Guns n' Roses, uma das mais notórias no cenário do rock mundial nas décadas de 80 e 90. Logo após sua saída, em 1993, Slash montou uma banda chamada "Slash's Snakepit" cujo símbolo é uma cobra usando cartola e fumando cigarro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.