Sistema vai monitorar risco de desertificação no Semiárido

Inpe e Ministério do Meio Ambiente assinaram nesta segunda um acordo de cooperação

Agência Brasil

09 de agosto de 2010 | 14h56

O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) vai elaborar o Sistema de Alerta Precoce de Secas e Desertificação no Semiárido brasileiro. O objetivo é desenhar cenários de vulnerabilidade resultantes do uso da terra, com ênfase na questão da desertificação, além de fazer previsões sobre mudanças climáticas.

 

Para viabilizar a implantação do sistema, o Inpe e o Ministério do Meio Ambiente assinaram hoje (9) em acordo de cooperação, durante a 2ª Reunião Ordinária da Comissão Nacional de Combate à Desertificação (CNCD).

 

No encontro, a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, defendeu a adoção de políticas públicas destinadas ao Semiárido para os próximos dez anos, a fim de amenizar os efeitos negativos das mudanças climáticas. Segundo a ministra, a Caatinga já perdeu 50% da cobertura original. "É necessário, pelo menos, tentar evitar que a situação se agrave ainda mais", disse ela, ao destacar a necessidade de investimentos dos bancos públicos na área.

 

Na ocasião, foram empossados no CNDC 11 membros da sociedade civil, a maioria da Região Nordeste. Izabella Teixeira afirmou que o colegiado "precisa ter a mesma importância do Conselho Nacional do Meio Ambiente [Conama], dada a magnitude da sua destinação".

 

Para a ministra, o CNDC deve buscar a adoção de medidas estruturantes, sem as quais não será possível obter resultados. "É preciso que a comissão aponte caminhos, com a convergência de objetivos e de ações." Ela destacou, por exemplo, que a demanda por alimentos no país nas próximas décadas estará condicionada ao uso sustentável dos recursos naturais. “Sem água não haverá energia nem agricultura."

 

Izabella Teixeira criticou a falta de engajamento dos prefeitos nas discussões sobre sustentabilidade do meio ambiente, "crucial num momento em que o tema desperta a atenção no Brasil e no mundo inteiro". Ela lembrou que todas as previsões para os efeitos negativos do clima feitas há 30 anos se confirmaram.

 

Segundo a ministra, os prefeitos, "quando fazem suas marchas a Brasília, não trazem na sua agenda assuntos de interesse do meio ambiente".

 

Izabella Teixeira disse que tratar do assunto de forma estratégica é fundamental, dada a importância para a produção de alimentos, a geração de energia e a redução de desastres naturais, como as enchentes ocorridas em Alagoas e Pernambuco em consequência de chuvas, que também tiveram exemplos drásticos em outros pontos do planeta, como no Paquistão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.