Sistema global de monitoramento evitará mortes por desastres

Um sistema global de satélitesque deve entrar em funcionamento na próxima década pode salvarmilhares de vidas e evitar bilhões de dólares em prejuízos nocaso de desastres naturais, ao permitir que pessoas e governosse preparem melhor para eles, disse um importante cientista naquarta-feira. Com a monitoração das mudanças no clima, o Geoss (sigla eminglês para Sistema de Sistemas de Observação Global da Terra)também deve ajudar as autoridades de saúde a evitar epidemias,além de proteger contra os danos ambientais causados pelohomem, afirmou José Achache, que chefia o grupo por trás doprojeto. "Sou um cara otimista. Então, acho que daqui a 10 anosteremos um Geoss em pleno funcionamento e praticamentecompleto", disse Achache, que é diretor do Grupo sobreObservações da Terra, entidade intergovernamental com sede emGenebra. Ministros e autoridades de 70 países avaliaram o progressono sistema de monitoramento, que liga bóias oceânicas asatélites para diminuir a vulnerabilidade a desastres e amudanças ambientais. Segundo Achache, a tecnologia já reduziu o número devítimas de desastres, e o Geoss vai aumentar ainda mais obenefício. "Já fizemos muita coisa. O melhor exemplo que podemos darhoje é o do trágico furacão em Bangladesh há duas semanas, emque tivemos de contar vítimas na casa dos milhares", disse ele."Mas, se se pensar bem, 15 anos atrás o mesmo furacão matou 140mil pessoas, e 15 anos antes disso, 500 mil." Para Achache, o número menor de mortos com a passagem doSidr deveu-se à melhor preparação, à maior qualidade naobservação global e a modelos mais acurados, que permitiram àsautoridades rastrear o sistema e prever com mais precisão suaintensidade. Ele disse que o Geoss também pode ajudar as autoridades acontrolar focos de doenças contagiosas como cólera e meningite,através do monitoramento das condições ambientais dos lugaresem que elas ocorrerem.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.