Seul deve declarar emergência após desastre ambiental

Voluntários lutam para conter danos do maior vazamento de petróleo da história da Coréia do Sul

Agências internacionais,

10 de dezembro de 2007 | 09h25

O governo da Coréia do Sul considera declarar nesta segunda-feira, 10, a região atingida pelo vazamento de um petroleiro como "zona especial de desastre", depois que mais de 10 mil toneladas de petróleo foram despejadas ao mar após o choque no navio Hebei Spirit com um cargueiro sul-coreano na sexta-feira. Foto: AP No sábado, o governo da Coréia do Sul declarou o "estado de desastre" na área atingida, a fim de facilitar as ajudas pessoais e materiais. A declaração da zona catastrófica nos próximos dias implicará num envio de ajuda financeira para atenuar os danos provocados pelo desastre. No mar, cerca de cem embarcações, incluindo navios da Guarda Costeira e da Marinha, estão tentando conter a mancha de óleo. Os esforços com barreiras flutuantes e produtos químicos dispersantes, no entanto, não conseguiram evitar que o óleo chegasse às praias do condado de Taean, a sudoeste de Seul. Foto: AP Mais de 8 mil pessoas, entre policiais, soldados e voluntários, são responsáveis pela limpeza do lodo, limpando rochedos escurecidos pela mancha e tratando dos animais atingidos.  Em uma visita à zona afetada, o ministro do Interior, Park Myung-jae, indicou que após os procedimentos necessários e em um prazo de um ou dois dias a área será declarada zona catastrófica. Park se reuniu ontem com o primeiro-ministro, Han Duck-soo, e com outras autoridades sul-coreanas para criar as medidas que buscam atenuar o pior desastre meio ambiental ocorrido na história do país.

Tudo o que sabemos sobre:
Coréia do Sulvazamento de petróleo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.