Setor de energia elogia decisões de China e EUA sobre clima

Agência Internacional de Energia afirma que metas dos países, caso postas em prática, transformarão o setor

Agência Estado,

26 Novembro 2009 | 15h43

O economista-chefe da Agência Internacional de Energia (AIE), Fatih Birol, destacou o potencial das metas ambientais de China e Estados Unidos para as negociações sobre mudança climática, que ocorrerão em Copenhague entre 7 e 18 de dezembro. "As decisões tanto dos EUA quanto da China, se implementadas, serão um marco para a questão da mudança climática e podem transformar o setor de energia", disse Birol.

 

Veja também:

linkChina irá a Copenhague e levará meta de redução de emissões

linkEmissão do Brasil cresceu 62% entre 1990 e 2005

linkEUA vão propor corte de 17% em suas emissões

especial Entenda as negociações do novo acordo 

A China anunciou nesta quinta-feira, 26, que pretende reduzir em até 45% suas emissões de dióxido de carbono por unidade de PIB até 2020, tendo como base os dados de 2005.

Nesta quarta-feira, a Casa Branca anunciou que o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, irá à reunião na Dinamarca prometendo redução considerável das emissões americanas de poluentes. Segundo funcionários do governo, os EUA pretendem reduzir as emissões de gases causadores do efeito estufa em 17% até 2020, com base em números de 2005, e em 83% até 2050.

"As duas metas, caso postas em prática, colocam o mundo no contexto de 450 partes por milhão (ppm)", disse ele, referindo-se à concentração máxima de gases de efeito estufa na atmosfera para que a temperatura global não suba mais de dois graus Celsius. As informações são da Dow Jones.

Mais conteúdo sobre:
ChinaEUAemissõesCO2AIEA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.